Centenas de milhares protestam contra Saleh no Iêmen

Centenas de milhares de pessoas foram às ruas do Iêmen hoje pressionar pela rápida nomeação de um conselho interino para substituir o presidente ferido Ali Abdullah Saleh. Já uma manifestação em prol do líder teve poucas pessoas pela primeira vez desde que esses atos começaram, no final de janeiro, relataram testemunhas.

AE, Agência Estado

17 de junho de 2011 | 12h14

Uma autoridade saudita disse hoje que Saleh não voltará para casa. O governo de Sanaa, porém, tem dito que em breve o líder retornará ao Iêmen e a seu posto. "O presidente iemenita não retornará ao Iêmen", afirmou a fonte, pedindo anonimato. A declaração foi rapidamente desmentida pelo vice-ministro da Informação iemenita, Abdo al-Janadi, que previu a volta dele "em alguns dias".

Saleh foi ferido por um ataque no início de junho contra o complexo presidencial e levado para a Arábia Saudita para ser tratado, porém não há informações claras sobre seu estado de saúde. Manifestantes pedem que o rei saudita, Abdullah, não permita a volta de Saleh ao Iêmen.

Também ocorreram passeatas em Taez, segunda maior cidade do Iêmen, em Áden, Ebb, Hudayda, Mukalla e outras, segundo testemunhas. Em Taez, manifestantes realizaram hoje orações e uma manifestação na Praça da Liberdade pela primeira vez desde que o local foi tomado por forças de segurança, em 29 de maio, em um ataque que segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) deixou mais de 50 mortos.

Manifestantes pressionam o vice-presidente, Abdrabuh Mansur Hadi, a formar um governo de transição. Saleh não apareceu em público desde o ataque, no dia 3. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IêmenprotestosSaleh

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.