REUTERS/Kim Kyung-Hoon
REUTERS/Kim Kyung-Hoon

Centenas de pessoas continuam desaparecidas após naufrágio na China

Socorristas resgataram 15 passageiros e confirmaram a morte de outros 5; 458 pessoas estavam a bordo do barco, todas chinesas

O Estado de S. Paulo

02 de junho de 2015 | 08h14

PEQUIM - Equipes de resgate lutam contra o mau tempo nesta terça-feira, 2, para as quase 440 pessoas desaparecidas, muitas delas turistas idosos chineses, após o naufrágio de um barco, identificado como Estrela do Orienteno, rio Yangtze, no que pode ser o pior acidental naval chinês em quase 70 anos.

Três pessoas foram resgatadas depois que as equipes de socorro conseguiram abrir parte do casco do barco naufragado ontem no rio Yangtze, no centro da China, o que elevou o número de sobreviventes nesse acidente para 15, de um total de 458 que estavam a bordo da embarcação, segundo a agência oficial "Xinhua".

Além disso, foi confirmado que 5 pessoas morreram, por isso ainda há quase 440 pessoas desaparecidas, a maioria delas turistas chineses com idades entre 50 e 83 anos, assim como uma criança de 3 anos, enquanto se intensificam os trabalhos de resgate antes que a noite caia e as condições do tempo piorem.

Parentes de alguns dos passageiros entraram em confronto com autoridades na cidade de Xangai, onde muitos dos que estavam a bordo reservaram suas viagens. A causa do confronto teria sido a falta de informação sobre os que estavam a bordo da embarcação.

Dezenas de barcos de resgate lutam contra o vento e chuva para alcançar o barco, que está 15 metros dentro da água. A embarcação tinha partido de Nanquim, capital da província de Jiangsu, no leste do país, e se dirigia a Chongqing, no sul, quando afundou na segunda-feira às 21h28 locais (10h28 de Brasília).

As equipes de resgate ainda têm esperanças de encontrar mais sobreviventes. O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, que está no local coordenando a operação de resgate, pediu que as autoridades atualizassem as informações a cada hora. O Centro Meteorológico da China relatou que estão previstas fortes chuvas no entorno do Yangtze nos próximos dez dias. 

O Rio Yangtze (que tem outros nomes dependendo de sua parte) tem 6.300 quilômetros, começa na Província de Qinghai, no oeste da China, e deságua no Mar do Leste da China, em Xangai. Ele é o rio mais comprido da Ásia e o terceiro maior do mundo, atrás do Nilo e Amazonas.

Cruzeiros são realizados diariamente pelo rio e a principal atração é a barragem da Hidrelétrica das Três Gargantas e sítios culturais antigos ao longo do trajeto.

Estrangeiros. Todos os 458 ocupantes do barco são cidadãos chineses, segundo uma lista de passageiros divulgada nesta terça-feira por vários meios de imprensa da China.

Do total de ocupantes da embarcação, 47 são membros da tripulação e 5 são funcionários de uma agência de viagens, enquanto os 406 turistas são oriundos da província de Jiangsu e de outros lugares do leste da China como Xangai, Tianjin, Shandong, Fujian e Anhui, segundo o jornal "Oriental Vanguard".  / REUTERS, EFE e NYT

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaNaufrágioYangtze

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.