Centenas de pessoas posam nuas em geleira suíça

Centenas de pessoasposaram nuas na geleira Aletsch, na Suíça, para o fotógrafonorte-americano Spencer Tunick, como parte de uma campanha doGreenpeace para aumentar a consciência quanto ao aquecimentoglobal. Tunick, falando de um megafone do alto de uma escada,dirigiu cerca de 600 voluntários de toda a Europa e osfotografou em uma área rochosa com vista para a geleira, que éa maior dos Alpes e está encolhendo. Depois, ele tirou fotos das pessoas em grupos na massa degelo. Equipes com equipamento fotográfico foram montadas emcinco pontos diferentes da geleira para a realização dasfotografias. As geleiras são sensíveis às mudanças climáticas e estãodiminuindo desde o início da era industrial, mas o ritmo daredução em área aumentou nos últimos anos. O grupo ambiental Greenpeace, que organizou o evento, disseque o objetivo era "estabelecer uma relação simbólica entre avulnerabilidade das geleiras se derretendo e o corpo humano." A Aletsch toma o lado sul da montanha Jungfrau no Vale doReno Superior. As geleiras alpinas perderam cerca de um terçode sua área e metade de seu volume ao longo dos últimos 150anos. A massa de gelo da Aletsch retraiu-se em 115 metros nosúltimos dois anos, disse o Greenpeace. Tunick também realizou fotos de multidões nuas em váriascidades mundo afora, de Newcastle (Grã-Bretanha) à Cidade doMéxico, onde um número recorde de 18 mil pessoas tiraram asroupas na praça Zocalo, em maio. Falando ao jornal de GenebraLe Temps, em entrevista publicada no sábado, Tunick disse quesuas fotografias são tanto trabalhos de arte quanto declaraçõespolíticas. "Vou tratar os corpos em dois níveis. No nível abstrato,como se fossem flores ou pedras. E em um nível mais social,para representar a vulnerabilidade e a humanidade em relação ànatureza e à cidade, e para lembrar as pessoas do lugar de ondeviemos." A Suíça tem cerca 1.800 geleiras e quase todas estãoencolhendo. O Greenpeace disse que, se o aquecimento globalcontinuar, a maior parte das geleiras do planeta desapareceráaté 2080.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.