Centenas de presos talibãs escapam de prisão no Afeganistão

Presidiários escaparam por um túnel de cerca de 350 metros que cavaram durante cinco meses

Efe,

25 de abril de 2011 | 04h06

CABUL - Centenas de presos talibãs escaparam nesta segunda-feira, 25, da prisão de Kandahar, no sul do Afeganistão, através de um túnel de cerca de 350 metros que os insurgentes escavaram durante cinco meses, confirmaram fontes oficiais e da insurgência.

 

 

Um porta-voz talibã, Zabiullah Mujahid, disse à agência afegã AIP que 541 presos escaparam do bloco onde estavam os "convictos políticos", embora o chefe da seção de segurança da polícia, Sher Shah Yousafzai, afirmou que os foragidos são na realidade 400.

 

A polícia já iniciou uma investigação sobre os fatos, disse Yousafzai.

 

Um dirigente talibã indicou que as tarefas de escavação começaram no exterior da prisão, e que levou cinco meses para chegar à seção política, à qual são enviados os talibãs no momento de sua detenção.

 

Os talibãs terminaram na noite de ontem sua tarefa e também desdobraram um comando de "suicidas" ao redor da prisão para o caso de que as forças afegãs descobrissem o plano de libertação e tentassem fazê-lo fracassar.

 

"A libertação começou às 23h de domingo (horário local), e só três presos conheciam o plano. Foram despertando seus companheiros um a um. O último deles saiu às 3h30 da madrugada", disse Mujahid na nota.

 

Esta é a segunda vez que ocorre uma fuga em massa na prisão de Kandahar. No ano de 2008, em torno de mil presos fugiram, depois que os talibãs arrebentaram as portas mediante a explosão de uma bomba localizada em um caminhão.

 

Kandahar, a segunda maior cidade do Afeganistão e capital da província homônima, é considerado o principal reduto espiritual dos insurgentes, que tentam derrubar o Governo afegão e implantar um Estado fundamentalista islâmico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.