Centenas de talebã escapam por túnel de 320 m em prisão no Afeganistão

Mais de 470 detentos escaparam de presídio de segurança máxima em Kandahar; a maioria pertencia à milícia.

BBC Brasil, BBC

25 de abril de 2011 | 05h48

Mais de 470 prisioneiros conseguiram escapar da principal prisão da cidade de Kandahar, a segunda maior cidade do Afeganistão.

Segundo autoridades de Kandahar, boa parte dos que escaparam da prisão de segurança máxima de Sarposa eram militantes da milícia Talebã.

Zabiullah Mujhahid, um porta-voz do Talebã, afirmou que ativistas da milícia cavaram um túnel de 320 metros ao longo de cinco meses e que o túnel finalmente alcançou as celas da prisão no domingo à noite.

Mujhadid disse que cerca de cem dos que escaparam eram comandantes da milícia e que a maior parte dos demais eram combatentes do grupo militante.

Um dos ativistas que conseguiu fugir contou que levou meia hora para atravessar o túnel de 320 metros.

A fuga em massa ocorreu ao longo do domingo à noite e havia veículos esperando pelos prisioneiros do lado de fora.

Túnel

De acordo com o representante do Talebã, os detidos foram conduzidos ao túnel por três prisioneiros que estavam detidos na prisão e que sabiam do plano.

De acordo com o diretor da prisão, general Ghulam Destageer Mayar, ''um túnel de centena de metros foi cavado no sul da prisão e 476 prisoneiros políticos escaparam ontem à noite''.

O túnel permitiu que eles evitassem passar pelos vários postos de controle em torno da prisão.

A última fuga em massa da prisão de segurança máxima Sarposa, com capacidade para 1200 detentos, ocorreu em 2008, quando militantes do Talebã explodiram as grades da prisão, permitindo a fuga de 900 detentos.

De acordo com autoridades do governo afegão, a prisão teve sua segurança reforçada após o ataque de 2008.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.