Centenas marcham em protesto contra a guerra em Manhattan

Centenas de milhares de manifestantes protestaram nas ruas de Manhattan neste sábado para pedir a retirada imediata das tropas americanas no Iraque, apenas horas depois da morte de um soldado americano após uma explosão em Bagdá. A marcha começou depois do meio-dia partindo da Union Square e os manifestantes seguiram em direção ao centro de Manhattan para um protesto em Foley Square entre o Tribunal americano e um prédio de escritórios do governo. "Encerre esta guerra, traga os soldados para casa", dizia um dos vários cartazes levantados pelos manifestantes. Outro grupo levava uma faixa com os dizeres "Veteranos pela paz". Cindy Sheehan, mãe de um marine (fuzileiro naval) morto há dois anos do Iraque levou uma foto de seu filho. Sheenan é uma crítica feroz da guerra e juntou-se à marcha, assim como a atriz Susan Sarandon e o reverendo Jesse Jackson. Os manifestantes caminharam por dez blocos em direção à Broadway. O porta-voz da polícia recusou-se a fornecer uma estimativa sobre o número de participantes. A marcha também serviu para expressar oposição contra qualquer ação militar contra o Irã. O evento foi organizado pelo grupo "Unidos pela Paz e Justiça". Contagem O número de mortes de soldados americanos em abril foi o maior de todos os meses de 2006, com 70 militares mortos. Apesar dos números terem sido bem menores que os de alguns dos meses mais sangrentos no Iraque, as mortes em abril marcam um salto em relação à março, no qual 31 soldados perderam a vida. Em janeiro houve 62 mortes e em fevereiro 55. Pelo menos 2,399 membros do Exército americano morreram desde que a guerra começou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.