Centenas protestam contra preço dos alimentos no Senegal

Mais de 1.000 pessoas, algumas carregandosacos de arroz vazios, protestaram em Dacar, a capital doSenegal, no sábado, contra o aumento do preço dos alimentos, namais recente manifestação na empobrecida África Ocidental. Especialistas em ajuda internacional afirmaram que os altospreços de alimentos e combustíveis ameaçam empurrar 100 milhõesde pessoas no mundo para a fome, e governos em países maispobres tentam encontrar caminhos para suavizar seus efeitos. O presidente senegalês, Abdoulaye Wade, cujo país importamais de 80 por cento de seu consumo de arroz, anunciou um planoambicioso na semana passada para aumentar a produção do grão emcinco vezes para 500 mil toneladas em uma estação. Mas muitos dizem que as medidas não são suficientes paraprevenir que o arroz, parte da dieta básica do país, se torneum artigo de luxo. Eles acusam Wade de se concentrar emprojetos glamourosos de infra-estrutura em detrimento dasnecessidades mais básicas da população. "Presidente Wade tem que parar com seus gastos", disseOusmane Ndiaye, um professor de 42 anos, enquanto outromanifestante afirmou: "As medidas anunciadas até agora não vãotirar o Senegal da crise dos alimentos." Regiões de Dacar foram transformadas no último ano, quandoestradas de quatro pistas e hotéis de luxo -- muitos inacabados-- começaram a aparecer em preparação para a cidade sediar acúpula islâmica no próximo mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.