REUTERS/Jim Young
REUTERS/Jim Young

Centenas protestam nos EUA após divulgação de vídeo com morte de jovem negro

Caso foi registrado em outubro de 2014 em Chicago, quando o policial branco Jason Van Dyke, de 37 anos, disparou 16 vezes contra Laquean McDonald, de 17 anos, que portava uma faca

O Estado de S. Paulo

25 de novembro de 2015 | 17h13

CHICAGO, EUA - Centenas de pessoas fizeram um protesto na noite de terça-feira pelas ruas de Chicago, nos Estados Unidos, depois da divulgação do vídeo com a morte de um jovem negro, que foi atingido por 16 disparos efetuados por um experiente policial branco, em um incidente ocorrido há um ano.

Vários dos manifestantes gritavam "16 disparos", em referência aos tiros recebidos por Laquean McDonald, de 17 anos, e outros repreendiam os agentes encarregados de evitar distúrbios, mostraram as emissoras de televisão.

As autoridades judiciais de Chicago anunciaram na terça-feira o indiciamento por assassinato do veterano policial branco Jason Van Dyke, suposto autor dos disparos contra o jovem. Van Dyke, de 37 anos, se entregou às autoridades e está à espera de uma audiência judicial para determinar se terá direito à liberdade condicional.

McDonald morreu em 20 de outubro de 2014 após um desentendimento com o agente Van Dyke, da polícia de Chicagol. O policial afirmou que, no momento do incidente, o jovem estava armado com uma faca.

A promotora do condado de Cook, Anita Álvarez, afirmou em entrevista coletiva que as acusações apresentadas contra o policial têm como base os disparos que ele supostamente fez contra McDonald quando a vítima já não representava uma ameaça e estava no chão.

A promotora também disse que as autoridades preferiram anunciar o indiciamento do policial antes de divulgar o vídeo do incidente, já que é sua responsabilidade preservar a paz da comunidade.

No vídeo, que foi apresentado na noite da terça-feira, se vê McDonald correndo, aparentemente se afastando de um grupo de agentes, quando é alvejado pela primeira vez.

Depois, é possível ver o jovem estendido no chão, onde aparentemente recebe vários outros disparos, enquanto um oficial não identificado se aproxima e pisa em uma pequena faca que McDonald tinha nas mãos.

A polícia argumenta que Van Dyke disparou ao temer por sua vida e acrescentou que McDonald, em cuja autópsia foram encontrados indícios do consumo de drogas, se comportava de maneira errática e não atendeu às ordens dos agentes para que soltasse a faca.

Antes da divulgação do vídeo e antecipando possíveis protestos, o prefeito de Chicago, Rahm Emanuel, e o superintendente da polícia local, Garry McCarthy, pediram calma aos cidadãos durante uma entrevista coletiva.

Este é o primeiro caso em 35 anos na cidade de Chicago em que um policial é acusado de assassinato em razão de um incidente ocorrido quando estava de serviço. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.