Central sindical argentina cancela greve de caminhoneiros

Manifestação marcada para segunda-feira é desmarcada após denúncia contra líder trabalhista

Marina Guimarães - Agência Estado

18 de março de 2011 | 20h34

BUENOS AIRES - O secretário-geral da Central Geral do Trabalho (CGT) da Argentina, Hugo Moyano, cancelou nesta sexta-feira, 18, a greve de caminhoneiros, transportadores e taxistas que havia convocado para a próxima segunda-feira, 21. "Deixamos em suspenso a medida de força de segunda-feira", anunciou Moyano, em conversa com jornalistas.

 

A paralisação foi convocada na quinta, após notícia de que a justiça suíça estaria investigando Moyano e o filho dele, Pablo, presidente do sindicato dos caminhoneiros, por lavagem de dinheiro.

O sindicalista informou ainda que a concentração, prevista para ser realizada na Praça de Maio, também foi cancelada. Ele disse que as notícias e suspeitas sobre sua idoneidade são motivadas por "uma trama política".

 

"Muitos se incomodam porque os trabalhadores querem chegar ao poder", disse Moyano. Ele responsabilizou a imprensa local e a oposição por "armar" um processo legal para prejudicá-lo. A CGT é o principal braço de apoio do governo de Cristina Kirchner, mas nos últimos meses a presidente e o líder sindical têm exibido desavenças, que apontariam para uma ruptura.

 

O pano de fundo do conflito estaria vinculado às eleições presidenciais de outubro. Moyano deu indicações de que gostaria ser o candidato a vice-presidente em uma chapa encabeçada pela presidente. Cristina, no entanto, sempre deu mostras de pouca simpatia pelo sindicalista.

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinagrevecaminhoneiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.