REUTERS/Fabrizio Bensch
REUTERS/Fabrizio Bensch

Centro de Berlim será esvaziado para desativar bomba da 2ª Guerra

Porta-voz da polícia da capital alemã não detalhou quantas pessoas serão prejudicadas pela operação; a estação central, as embaixadas e a sede do Serviço Federal de Inteligência (BND) são alguns dos locais que serão fechados

O Estado de S.Paulo

18 Abril 2018 | 09h51

BERLIM - O centro de Berlim será o cenário de uma grande operação de retirada de pessoas na sexta-feira para a desativação de uma bomba da 2.ª Guerra encontrada em uma obra próxima da estação central de trens, anunciou a polícia da capital alemã.

+ Polícia alemã desarma bomba de 1,8 tonelada da 2ª Guerra Mundial em Frankfurt

+ Bomba britânica da 2ª Guerra pode arrasar quarteirão em Frankfurt

A estação central, os ministérios da Economia e dos Transportes, as embaixadas, o hospital do Exército alemão e a sede do Serviço Federal de Inteligência (BND) serão esvaziados, informou um porta-voz da polícia, que não detalhou quantas pessoas serão prejudicadas pela operação.

+ Creche alemã é esvaziada após menino levar bomba da 2ª Guerra

+ Bomba inativa da 2ª Guerra Mundial provoca retirada de ao menos 70 mil na Grécia

No perímetro de segurança também estão edifícios residenciais, museus e escritórios, mas ainda é "prematuro" dizer quantas pessoas serão prejudicadas pela operação, que deve começar às 9h00 (4h em Brasília).

O transporte ferroviário com saída e chegada a Berlim será muito prejudicado, já que a principal estação da capital alemã está no perímetro de segurança. A companhia nacional de ferrovias, Deutsche Bahn, ainda não fez anúncios a respeito.

Relembre: O que fazer com a casa de Goebbels?

Em outubro, 10 mil pessoas de um bairro do sudoeste de Berlim foram retiradas de suas casas para a desativação de uma bomba de 250 kg. Um mês antes, a descoberta em Frankfurt de uma enorme bomba britânica dotada de uma carga explosiva de 1,4 tonelada desencadeou a maior operação do tipo desde 1945. Cerca de 65 mil habitantes foram retirados da região. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.