Centro de combates, leste da Líbia volta a ser alvo de bombardeios aéreos

Testemunhas dizem que forças do regime de Khadafi voltaram a atacar Benghazi, mas rebeldes dizem manter controle.

BBC Brasil, BBC

17 de março de 2011 | 12h03

Ofensivas do governo no leste do país testam limites de rebeldes

Forças do governo líbio e rebeldes voltaram a entrar em confrontos nesta quinta-feira, disputando o controle da cidade de Benghazi, até agora mantida sob controle da oposição.

Testemunhas dizem ter visto aviões de guerra do regime de Muamar Khadafi atacar as forças rebeldes.

O porta-voz da oposição, Mustafa Gheriani, confirmou à BBC que o aeroporto nos arredores da cidade foi atingido.

A ofensiva vem horas depois que os rebeldes afirmaram ter contido o avanço das forças de Khadafi no leste da Líbia.

Um repórter da BBC na cidade de Ajdabiya - a última localidade antes de Benghazi - disse que os oposicionistas usaram armas pesadas e pelo menos um avião caça para resistir às tropas do governo.

Um novo ataque a Benghazi já era esperado. Na quarta-feira, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha chegou a retirar o seu pessoal da cidade temendo a iminente chegada da violência.

Enquanto os combates prosseguem na frente de batalha, no plano diplomático continuam as discussões sobre a decretação de uma possível zona de exclusão aérea sobre a Líbia para evitar mais ataques do governo.

Ainda nesta quinta-feira o Conselho de Segurança da ONU pode votar uma resolução sobre o assunto. China e Rússia se opõem a um bloqueio aéreo e preferem uma resolução impondo primeiro um cessar-fogo.

Negociações

Na quarta-feira, os Estados Unidos disseram estar preparados para apoiar a imposição do bloqueio aéreo, mas apenas se a medida tiver a autorização da ONU.

Entre os diplomatas, as negociações têm sido longas e difíceis. Na Europa, Grã-Bretanha e França foram os mais fortes defensores de um bloqueio aéreo. Após uma hesitação inicial, os países que integram a Liga Árabe também se manifestaram favoravelmente.

Em um primeiro momento, os Estados Unidos haviam manifestado restrições em relação à imposição de uma zona de exclusão aérea, assim como Alemanha, Rússia e China.

Agora, os americanos acreditam que a medida está entre as ações necessárias para colocar Khadafi sob pressão.

Ainda assim, a embaixadora americana na ONU, Susan Rice, disse acreditar que a restrição aérea não seja suficiente para proteger a população da Líbia.

"Esse tipo de medida possui limitações inerentes em termos de proteção de civis que estão sob risco imediato'', afirmou Rice.

Linguagem polêmica

A correspondente da BBC na ONU, Barbara Plett, afirma que a polêmica envolvendo a resolução da ONU reside em sua linguagem polêmica, que prevê todas as ações necessárias para a proteção de civis.

Alguns interpretaram este trecho como uma autorização de ataques contra forças terrestres do governo, caso civis estejam sob ataque.

A Rússia e a China possuem sérias restrições em relação a uma ação militar, assim como a China. Como contrapartida, os russos propuseram uma resolução impondo primeiro um cessar-fogo.

De acordo com diplomatas ocidentais, a proposta foi rejeitada por ter sido considerada excessivamente branda.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.