Centro de detenção de imigrantes nos EUA é acusado de abusos

Grupos de direitos humanos afirmam que guardas abusaram sexualmente de detentas; agência de imigração americana nega 

O Estado de S. Paulo

03 de outubro de 2014 | 13h58

SAN ANTONIO EUA - Um grande centro de detenção que abriga centenas de mulheres e crianças da América Central perto da cidade de San Antonio, no Estado americano do Texas, deve ser fechado, em meio a acusações de que guardas assediaram as detentas e abusaram sexualmente delas, disseram grupos de direitos humanos na quinta-feira.

A agência de imigração dos EUA, a ICE, negou as alegações levantadas pelo Fundo Mexicano-Americano de Defesa Legal e Educação e outros grupos sobre o Centro de Detenção de Karnes, ao sudeste de San Antonio.

A porta-voz da ICE, Adelina Pruneda, disse que a agência tem uma política de tolerância zero para abuso sexual e agressão. "Pessoas em nossa custódia são abrigadas e tratadas de uma maneira segura e humana."

O grupo privado GEO, que administra o centro, emitiu um comunicado que também nega as acusações. O centro foi aberto em 1.º de agosto e abriga mais de 500 mulheres e crianças detidas após fugirem de violência e perseguição na América Central.

Os grupos disseram que guardas do centro tiravam as mulheres de suas celas à noite e bem cedo de manhã para realizar abusos sexuais.

As mulheres também teriam sido submetidas a exigências de favores sexuais em troca de promessas de dinheiro, de ajuda em casos de imigração e abrigo quando fossem libertadas, disseram os grupos. "É exatamente por isso que o governo federal não deve deter famílias", disse Marisa Bono, advogada do Fundo Mexicano-Americano.

Os grupos disseram que o governo federal tem de fechar o centro e encontrar alternativas para deter imigrantes que não cometeram outra irregularidade a não ser a entrada ilegal nos EUA. Pessoas detidas que se qualificarem para pedido de asilo deveriam ser libertadas sob fiança, argumentam.

Os grupos apresentaram a queixa à ICE em 25 de setembro e também disseram que o centro de Karnes tem alimentação e serviços de saúde inadequados.

"A GEO fortemente refuta essas alegações. O Centro de Karnes fornece um ambiente seguro, limpo e amigável para mães e crianças que precisam de processamento por parte da agência de imigração dos EUA", rebateu a empresa que o administra. / REUTERS

Tudo o que sabemos sobre:
EUAimigraçãoAmérica Central

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.