Centros do Médicos Sem Fronteira em Guiné e Libéria vão testar tratamento contra Ebola

Testes clínicos com três tratamentos contra Ebola vão começar a ser realizados em dezembro, na Guiné e na Libéria, em centros de saúde administrados pela organização Médico Sem Fronteiras, disse na quinta-feira o grupo.

REUTERS

13 Novembro 2014 | 12h27

Os testes feitos separadamente, envolvendo centenas de pacientes, são destinados a avaliar as drogas brincidofovir, da empresa norte-americana Chimerix, e favipiravir, da japonesa Fujifilm. Os testes vão verificar como o plasma do sangue retirado de sobreviventes do Ebola funciona na cura de pacientes infectados.

Resultados preliminares podem estar disponíveis em fevereiro de 2015, disse o MSF em comunicado.

Os estudos não usarão grupo placebo (que recebe substância inócua) e vão envolver somente pacientes com Ebola que concordaram em participar do experimento.

Os pesquisadores vão monitorar os pacientes e coletar dados sobre a taxa de sobrevivência e outros efeitos. Os testes podem ser interrompidos se o tratamento mostrar benefícios ou danos claros.

Annick Antierens, um médico que coordena as parcerias investigativas com o MSF, afirmou que a cooperação envolvendo a condução dos testes não tem precedentes e "representa esperança para pacientes que finalmente recebem um tratamento real".

A epidemia de Ebola na África Ocidental já infectou mais de 13.000 pessoas, a grande maioria na Guiné, Serra Leoa e Libéria, e matou cerca de 5.000 delas, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Os três testes serão liderados por equipes diferentes. A Universidade de Oxford ficará encarregada pelo da Libéria e o holandês Instituto de Medicina Tropical da Antuérpia e o Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica, da França, vão coordenar dois outros testes na Guiné.

(Reportagem de Kate Kelland)

Mais conteúdo sobre:
AFRICATESTEEBOLA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.