CEO de rede Sunflower renuncia após escândalo sexual

O CEO da rede de lojas de alimentos naturais norte-americana Sunflower Farmers Market, Michael Gilliland, renunciou ao cargo, depois de ser preso na quinta-feira em uma operação policial de combate à prostituição infantil.

AE, Agência Estado

13 de fevereiro de 2011 | 18h46

Gilliland é acusado de ter solicitado sexo pela internet a uma pessoa que se identificava como uma garota menor de idade. Ele pode ser indiciado por crime envolvendo prostituição infantil.

Além de presidente da Sunflower, que possui lojas em sete estados, o executivo também fundou a Wild Oats Markets Inc., comprada pela Whole Foods Market em 2007.

Gilliland foi um dos oito homens presos na operação policial.

Segundo a Sunflower, ele disse à empresa que acredita não ser culpado. O presidente e diretor de operações da Sunflower, Chris Sherrell, foi nomeado CEO interino. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUASunflowerescândalo sexual

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.