Maxim Zmeyev/AFP
Maxim Zmeyev/AFP

Cerca de 20 mil manifestantes vão às ruas de Moscou por eleições municipais livres

Autoridades invalidaram o registro de 57 candidatos ao parlamento para as eleições de setembro, sob alegação de irregularidades; candidatos da oposição denunciam interferência eleitoral

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2019 | 15h55

MOSCOU - Mais de 20 mil pessoas, incluindo figuras da oposição da Rússia, se manifestaram no centro de Moscou neste sábado, 20, para exigir eleições locais livres e justas aos gritos de "Rússia Livre" e "A cidade é nossa".

Segundo a ONG White Counter, especializada no cálculo de manifestantes, pelo menos 21,5 mil pessoas foram mobilizadas durante a demonstração autorizada.

A oposição convocou este protesto depois que as autoridades invalidaram o registro de 57 candidatos para as eleições parlamentares na cidade de Moscou, marcada para setembro.

Em discurso, o líder opositor russo Alexei Navalni pediu às autoridades que todos os candidatos fossem registrados antes do próximo sábado, 27; caso contrário, novas manifestações serão convocadas. 

Nos últimos meses, vários candidatos ao poder perderam nas eleições regionais em benefício dos comunistas e nacionalistas, enquanto o partido no poder, o Rússia Unida, do presidente Vladimir Putin, registrou seus piores resultados durante uma década.

No domingo passado, 14, cerca de dez seguidores de Navalni, entres eles pré-candidatos às eleições, foram detidos após protestarem pelo direito de concorrer nas eleições. Desde o início do ano, manifestantes e pré-candidatos tem sido detidos e posteriormente liberados pela polícia por protestarem. 

No final de um processo de verificação, a Comissão Eleitoral de Moscou excluiu 57 candidatos na quarta-feira, a maioria deles opositores devido a problemas de inscrição, irregularidades que estes últimos denunciam como uma fraude.

O Kremlin rejeita queixas de opositores, mas muitos russos continuam furiosos com o que eles veem como interferência eleitoral. 

Os moscovitas são chamados a votar nas eleições regionais e locais em 8 de setembro para renovar o mandato de cinco anos dos 45 deputados do Parlamento local, encarregado de validar as decisões do prefeito Sergey Sobianine, da Rússia Unida. 

Segundo ele, os candidatos independentes tiveram que reunir as assinaturas de pelo menos 3% de seus potenciais eleitores em cada um dos 45 distritos de Moscou, ou seja, entre 4,5 mil e 5 mil pessoas, para poder participar.

Mas os candidatos da oposição que conseguiram cumprir essas exigências ficaram indignados com o procedimento de verificação obscuro que os desqualificou e privilegiou, segundo eles, os candidatos leais ao poder. 

A oposição, privada de participar em eleições mais importantes como as presidenciais, mobilizou-se com força para estas eleições em Moscou, com a esperança de poder entrar na gestão do enorme orçamento da capital russa. 

Em um contexto de queda dos salários e estagnação econômica, a oposição também pretende aproveitar o crescente descontentamento dos russos. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.