AP Photo/Ivan Sekretarev
AP Photo/Ivan Sekretarev

Cerca de 3 mil pessoas são retiradas de três estações ferroviárias em Moscou após ameaça de bomba

Agentes planejavam usar cães farejadores para checar as estações de Kazansky, Leningradsky e Yaroslavsky; Putin ordenou reforço nas medidas de segurança dentro e fora do país após o assassinato do embaixador russo em Ancara

O Estado de S.Paulo

26 Dezembro 2016 | 10h26

MOSCOU - A Polícia de Moscou retirou quase 3 mil pessoas de três estações ferroviárias após receber uma ameaça anônima de bomba, relataram nesta segunda-feira, 26, agências de notícias russas. Retirada afetou tanto passageiros quanto funcionários.

A agência TASS relatou que a polícia planeja usar cães farejadores para checar as estações ferroviárias Kazansky, Leningradsky e Yaroslavsky. Todas ela ficam na mesma região de Moscou.

O último grande atentado terrorista no país aconteceu em dezembro de 2013, quando dois ataques suicidas causaram a morte de 34 pessoas na estação de trem da cidade de Volgogrado.

O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou na semana passada reforçar as medidas de segurança dentro e fora do país após o assassinato do embaixador russo em Ancara, Andrei Karlov, e o atentado terrorista em Berlim, quando um caminhão invadiu uma feira natalina, deixando 12 mortos.

O Serviço Federal de Segurança (FSB, antigo KGB) descartou a versão de um atentado terrorista como causa do acidente do avião Tu-154 do Ministério da Defesa, que caiu no domingo no Mar Negro com 92 pessoas a bordo. / REUTERS e EFE

Mais conteúdo sobre:
Rússia Vladimir Putin segurança Bomba

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.