Cerca de 400 mil crianças somalis correm alto risco de morrer de fome

Necessidade de ajuda é urgente, afirma secretário britânico; África vive pior crise em décadas

Agência Estado

17 de agosto de 2011 | 17h14

 

NAIRÓBI - Cerca de 400 mil crianças somalis podem vir a morrer de fome em breve se nenhuma medida urgente for tomada, advertiu nesta quarta-feira, 17, o secretário de Desenvolvimento Internacional da Grã-Bretanha, Andrew Mitchell.

 

O alerta de Mitchell foi feito na primeira visita de um ministro britânico em 18 anos a Mogadiscio, onde ele se reuniu com líderes do frágil governo local e com representantes de grupos humanitários internacionais.

 

No vizinho Quênia, Mitchell disse que a Grã-Bretanha doará ao Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) o equivalente a mais de US$ 41 milhões em ajuda adicional.

 

A expectativa é de que o dinheiro seja suficiente para alimentar quase 200 mil pessoas pelos próximos dois meses e para vacinar cerca de 800 mil crianças contra o sarampo.

 

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 12 milhões de habitantes de países do Chifre da África necessitam de ajuda alimentar imediata. A região vem sendo castigada por aquele que é considerado o pior período de seca em 60 anos. As informações são da Associated Press.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.