Cerca de 47 rebeldes tâmeis morrem em combates no Sri Lanka

Membros da guerrilha Tâmil morreram em lutas com as tropas cingalesas; em janeiro, país voltou aos combates

Efe,

24 de fevereiro de 2008 | 06h01

Pelo menos 47 rebeldes tâmeis e um soldados cingalês morreram em combates travados em diferentes pontos do norte do Sri Lanka, informou em nota o Ministério da Defesa do país neste domingo, 24.   No distrito de Vavuniya, 25 membros da guerrilha dos Tigres de Libertação da Pátria Tâmil (LTTE) foram mortos no sábado, 23, em confrontos com as tropas cingalesas. Durante as operações, 10 soldados ficaram feridos e 3 esconderijos dos rebeldes foram completamente destruídos.   O Exército do Sri Lanka apreendeu ainda apreendeu 29 artefatos explosivos no lugar dos choques, segundo o Ministério da Defesa.   Também no norte, outros 3 guerrilheiros dos LTTE morreram em uma ofensiva lançada no distrito de Mannar.   Outros 7 rebeldes foram mortos em diferentes operações em Jaffna e Welioya.   Sem acesso da imprensa   O Exército informa diariamente a morte de dezenas de combatentes inimigos, mas não há uma apuração extra-oficial porque a imprensa não tem acesso às frentes de batalha.   Em um fato isolado, dois membros de uma facção separada dos LTTE morreram quando um suicida que estava em uma bicicleta detonou a carga que transportava em Batticaloa, no leste da ilha. O suicida, um suposto membro dos tigres tâmeis, também morreu no ataque.   Em janeiro, o Sri Lanka voltou ao estado de guerra depois que o governo rompeu unilateralmente o acordo de cessar-fogo vigente desde 2002, embora o pacto não fosse cumprido, pois os choques entre os dois lados foram constantes durante todo o ano passado.   Os LTTE lutam há décadas pela independência do norte e do leste do Sri Lanka, onde a etnia tâmil é majoritária frente à cingalesa, que domina no resto do país.

Mais conteúdo sobre:
Sri Lanka

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.