Cerca de 90% dos libaneses querem o país longe de conflitos

Uma pesquisa realizada pelo instituto Ipsos divulgada nesta segunda-feira (28) no jornal "L´Orient-Le Jour" indica que 88% dos libaneses desejam que seu país se mantenha afastado dosconflitos no Oriente Médio. A pesquisa, realizada entre 14 e 17 de agosto - logo após o fim do conflito entre o Hezbollah e Israel - ouviu 600 homens e mulheres de mais de 15 anos de todas as regiões do país árabe. A metade dos entrevistados disse que o Hezbollah deveria entregar suas armas. No entanto, entre a comunidade xiita 84% são contrários ao desarmamento do Hezbollah, o que é desejado por mais de 75% dos drusos e cristãos, e por mais da metade dos sunitas do Líbano. Oito em cada dez libaneses querem o posicionamento nas fronteiras do país de uma força multinacional que apóie o Exército libanês no controle fronteiriço. No que se refere a atuação do primeiro-ministro libanês, FouadSiniora, durante o conflito, cerca da metade das pessoas ouvidas se declararam satisfeitas com seu trabalho, apesar de existirem grandes diferenças de opinião sobre o assunto. Enquanto aproximadamente 80% dos sunitas e dos drusos aprovam a atuação de Siniora, a avaliação positiva é reduzida à metade entre os cristãos. Na comunidade xiita, o apoio ao trabalho do premierlibanês não atingiu 30%. A pesquisa também questionou o futuro dos entrevistados, sendo que 52% afirmaram que pretendem continuar vivendo no Líbano, enquanto o restante afirmou que não consegue vislumbrar um futuro profissional no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.