Cerco a suposto assassino em Toulouse já dura 30 horas

Entra no segundo dia o impasse em Toulouse, sudoeste da França. Há mais de 30 horas a polícia francesa cerca uma residência onde estaria escondido o suspeito de executar três crianças e um rabino em uma escola judaica, em Toulouse, na segunda-feira. Outros três soldados, também de origem judaica, teriam sido executados, em março, por Mohammed Merah, de 24 anos, que já teria sido detido em Kandahar, reduto dos talebans no Afeganistão, no fim de 2010 por crimes comuns.

Agência Estado

22 Março 2012 | 04h50

O suspeito diz ter ligações com a rede terrorista Al-Qaeda e está sendo cercado por centenas de policiais franceses que trabalham para prendê-lo. A polícia faz pressão psicológica com a explosão de bombas de efeito moral e de gás, e a energia elétrica foi cortada no quarteirão.

As autoridades disseram que ele se gaba da maneira como executou as crianças Gabriel, de 4, Arieh, de 5 e Myriam Monsonego, de 7 anos, e o rabino Jonathan Sandler, de 30 anos, pai das crianças.

Segundo o ministro do Interior, Claude Guéant, já faz algum tempo que o suposto assassino não se manifesta e não se sabe se ele continua vivo. Ele havia concordo em se entregar às 22h45 de ontem, no horário local (18h45, de quarta-feira em Brasília), mas chegada a hora, voltou atrás e disse que "morreria com as armas nas mãos". As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
França Toulouse Cerco

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.