Cérebro dos atentados ao WTC seria kuwaitiano

O cérebro dos atentados ao World Trade Center nos Estados Unidos, em 11 de setembro, é o kuwaitiano Jalid Sheij Mohammed, um dos principais lugares-tenentes do líder da organização terrorista Al-Qaeda, Osama Bin Laden, informaram hoje os jornais The New York Times e Los Angeles Times, citando como fontes vários funcionários do governo. Os serviços secretos dos EUA acreditam que ele esteja escondido no Afegansitão ou no Paquistão. "Temos razão para crer que o plano de desvio de aviões foi idéia dele, depois discutida com Bin Laden", declarou ao Los Angeles Times o funcionário não identificado. "Na lista dos piores da Al-Qaeda, ele está entre os seis primeiros, ou algo assim", afirmou outra fonte. A informação foi obtida nos intensos interrogatórios de militantes da Al-Qaeda presos pelos americanos no Afeganistão. Segundos os relatórios, Mohammed teria 37 anos e possivelmente é tio de Ramsi Ahmed Jussef, preso e condenado nos EUA pelo primeiro atentado contra o World Trade Center, em 1993, e um plano de explodir vários aviões americanos sobre o Oceano Pacífico em 1995, revela o NYT. O próprio Mohamed foi indiciado pela Justiça dos EUA em 1996 por sua participação nesse complô, desvendado em Manila, nas Filipinas, contra os aviões comerciais. Yusef foi preso em Manila. O governo do Kuwait informou que Mohammed não tem a cidadania kuwaitiana e era apenas um residente no país e partiu "há muitos anos". "Há muitas nacionalidades no Kuwait. O fato de uma pessoa nascer no Kuwait não significa que terá a cidadania" frisou o ministro da Informação xeque Ahmed al-Fahd al-Sabah. O ministro e outros pessoas dos meios políticos do país disseram que Mohammed era paquistanês. Mohammed integra a lista das 22 pessoas mais procuradas pelo FBI (a polícia federal americana). O Departamento de Justiça oferece recompensa de US$ 25 milhões por informações que levem a sua captura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.