EFE/
EFE/

Cervejaria mexicana satiriza ex-presidentes com caricaturas nos rótulos

Imagens cômicas retratam ex-presidentes do México como Carlos Salinas de Gortari e Felipe Calderón, além do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump

O Estado de S.Paulo

12 Julho 2017 | 12h02

CIDADE DO MÉXICO - A cervejaria artesanal mexicana "Error de diciembre" está comercializando uma nova linha de cervejas com curiosos rótulos com imagens cômicas de ex-presidentes do México como Carlos Salinas de Gortari e Felipe Calderón, além do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Fernando Rendón, Isaac Aroche e Antonio Helguera afirmam que querem zombar "dos políticos como eles fazem de nós" ao transformarem seus erros em uma memorável série de rótulos para que seu legado político se perpetue a cada gole.

Helguera, cartunista do jornal La Jornada e da revista Proceso, é o criador dos rótulos políticos que, com humor, pretendem "ser um lembrete de que os problemas no país têm nome e sobrenome".

"O México sempre se cerca de desgraças. Devemos encarar com humor e rir um pouco dos que abusam delas brindando à sua saúde", disse, com um sorriso sarcástico, o cartunista duas vezes vencedor do prêmio nacional de jornalismo.

Helguera contou à Agência Efe que a inovadora ideia de Fernando Rendón, criador da cervejaria, o encantou porque "oferece um novo meio totalmente diferente de expor seu trabalho e suas mensagens" através de imagens "caricatas e inclusive agressivas".

Segundo ele, grande parte da sociedade está desligada da história do país, e foi necessário usar as garrafas "como um bom meio para transmitir uma mensagem crítica".

Quanto ao desenho, acrescentou que durante um festival de cerveja artesanal adotou um estilo "simples e chamativo", pois "não é um cartaz, é um rótulo para um produto".

Helguera, Rendón e o vencedor da Copa do Mundo da Cerveja, Isaac Aroche, pretendem manter viva a lembrança de erros históricos dos presidentes com caricaturas e frases dos protagonistas.

Com a cervejaria, batizada de "Error de Diciembre" em referência à crise econômica de 1994 no México, Rendón quebrou o mito de "beber para esquecer", ao reforçar as decisões ruins dos presidentes para que "a sociedade pense mais antes de dar seu voto".

A primeira cerveja, "Carlitos", ilustra o protagonista do "erro de Dezembro", Carlos Salinas de Gortari, presidente do México de 1988 a 1994, por ser o personagem "mais icônico do momento ruim do sistema político mexicano, criminoso por excelência, corrupto que não soube dirigir o país", acusou o jovem empresário.

Salinas, segundo o cartunista, "foi o mais complicado dos rótulos". Fiel ao seu estilo, Helguera disse que, no primeiro desenho, acrescentou elementos como bolsas de dinheiro e urnas eleitorais jogando votos em um túmulo.

"Depois achamos que Gustavo Díaz Ordaz (1964-1970) merecia um rótulo pelo massacre estudantil de 1968", disse Rendón, e assim nasceu a "Tlatelolco", a mais amarga entre as cervejas do catálogo para um dos momentos mais dolorosos do México.

Os cervejeiros repassam os governos do Partido Revolucionário Institucional (PRI) e a esperançosa "alternância do poder em 2000" com o Partido Ação Nacional (PAN), e a cerveja "Comes y te vas" lembra as ocorrências do ex-presidente Vicente Fox (2000-2006) com um leve sabor de chai - bebida indiana com especiarias e ervas aromáticas.

A "Calderona" é lançada a cada novembro com 15% de álcool. No rótulo, uma cruz, um crânio e a imagem de Felipe Calderón (2006-2012), ex-presidente de quem Helguera destacou a mortalidade de sua guerra contra o narcotráfico.

Em associação com a cervejaria "Cru Cru", foi elaborada a "Amigous" para satirizar o atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que é ilustrado vestido de 'mariachi' para fundir elementos de ambas as nações.

O criador do projeto declarou que em agosto será lançada, em colaboração com uma cervejaria do norte do país, a "Legítima", dedicada a Andrés Manuel López Obrador, candidato presidencial em 2006 e 2012 e que se autoproclamou presidente legítimo após a vitória de Calderón. /EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.