Chacina em escola alemã foi "ato de vingança", diz polícia

O jovem alemão que matou a tiros 16 pessoas na escola da qual havia sido expulso deve ter agido por vingança, segundo informou hoje investigadores da polícia. O atacante, identificado por alguns de seus ex-companheiros como Robert Steinhaeuser, entrou ontem armado na escolaGutenberg, na cidade de Erfurt, e assassinou as 16 pessoas, 13das quais estudantes, antes de cometer suicídio.O porta-voz da polícia, Achim Kellner, disse que osinvestigadores trabalham com a possibilidade de Steinhaeuser tersido movido por vingança. O jovem, de 19 anos, que eraapreciador de armas, estava irado por sua recente expulsão, quefora motivada pelo fato de ele ter falsificado um atestadomédico para tentar evitar as provas finais. "Foi um ato de vingança", disse Kellner. Segundo ele, Steinhaeuser "não era um aluno aplicado, ele gostava de faltar às aulas".O governador da Turíngia, Bernhard Voge, afirmou hoje duranteuma entrevista coletiva, que os investigadores encontraram "umaquantidade significativa" de munições no apartamento deSteinhaeuser e evidências de que seu objetivo eram osprofessores. "Em muitos casos, as vítimas receberam disparos na cabeça, oque prova que ele era um atirador treinado", disse Vogel.Um ex-namorada, Isabell Hartung, descreveu Steinhaeuser comoum jovem inteligente e que se relacionava bem com seuscompanheiros, mas que brigava com freqüência com os professorese tinha "um relação ruim com os pais". Segundo ela, ele teria lhe dito um dia que "quero que todos conheçam meu nome e quero ser famoso".Hoje, uma grande quantidade de flores foi depositada naentrada principal da escola e os familiares das vítimas sereuniram no local para uma cerimônia. Em toda a Alemanha, as bandeiras ficaram a meio pau hoje e o partido do chanceler Gerhard Schröeder cancelou um comício eleitoral.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.