Chade acusa Sudão de ´exportar genocídio´ na fronteira

O governo do Chade acusou o Sudão de "exportar o genocídio" em Darfur através da fronteira com o país, informou nesta terça-feira a rede britânica BBC em seu website. Segundo o governo deste país subdesenvolvido, localizado ao norte da África Central, tem havido numerosas mortes em recentes embates entre grupos árabes e não-árabes perto da tumultuada fronteira do país com a região de Darfur, localizada no oeste do Sudão. A BBC diz que, de acordo com um ministro do país, "mais de 100 pessoas foram mortas em conflitos separados no sudeste do Chade". Segundo a emissora, o governo do Chade pediu por tropas da ONU na região da fronteira. A guerra em Darfur, na fronteira do Sudão com o Chade, explodiu em fevereiro de 2003, quando os rebeldes do Movimento de Justiça e Igualdade (MJI) e do Movimento de Libertação do Sudão (MLS) pegaram em armas para protestar contra a situação de abandono e a pobreza na região. O conflito já deixou cerca de 300 mil mortos e provocou o deslocamento de quase 2,5 milhões de civis para outras regiões sudanesas e para o território chadiano.

Agencia Estado,

07 Novembro 2006 | 20h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.