Chade assina acordo de paz com rebeldes na Líbia

Líder líbio diz que África é capaz de solucionar conflitos sem intervenção internacional

Efe,

26 de outubro de 2007 | 08h05

O governo do Chade e quatro movimentos rebeldes do país assinaram na noite de quinta-feira, 26, um acordo de paz com rebeldes da Líbia na cidade de Sirte, sob a mediação do coronel líbio Muammar Kadafi, informou nesta sexta a agência de imprensa líbia Jana.   Os presidentes do Chade, Idrid Déby, e do Sudão, Omar al-Bashir, compareceram à assinatura do tratado. Eles se cumprimentaram pelo compromisso que encerra as hostilidades entre o Exército chadiano e os rebeldes.   Os quatro movimentos de oposição ao regime são a União das Forças para a Democracia e o Desenvolvimento (UFDD), a UFDD-Fundamental, o Reagrupamento das Forças pela Mudança (RFC) e a Concórdia Nacional Chadiana (CNT).   Pelo acordo, o governo promete cargos no Executivo aos dirigentes rebeldes, a anistia para os grupos dissidentes e a libertação de prisioneiros. Os líderes insurgentes Mahamat Nouri, Timan Erdimi e Hassan Yinedi afirmaram que esperam ver as suas forças serem reintegradas ao Exército chadiano.   Os termos do compromisso tinham sido elaborados no dia 3, em Trípoli. Kadafi afirmou então que isso demonstrava que os africanos são capazes resolver as suas diferenças sem intervenção estrangeira.   Kadafi recomendou aos movimentos rebeldes do Chade que aproveitem a ocasião para se transformarem em partidos políticos legais, defendendo as suas idéias pacificamente e respeitando a Constituição.   As Nações Unidas e a União Européia (UE) enviarão em breve uma força de paz ao Chade. A sua missão será proteger os milhares de refugiados de Darfur que acampam no país.

Tudo o que sabemos sobre:
ÁfricaChadeLíbia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.