Chade condena franceses a 8 anos de trabalho forçado

Um tribunal do Chade condenou ontem seis trabalhadores humanitários franceses a 8 anos de trabalhos forçados, após julgá-los culpados de tentar levar ilegalmente para a Europa 103 crianças africanas. Os condenados, funcionários da organização não-governamental Arca de Zoé, alegam que tentavam ajudar os órfãos de Darfur, região sudanesa vizinha do Chade. O conflito iniciado em 2003 em Darfur já deixou 200 mil mortos e provocou o deslocamento de 2,5 milhões de pessoas.Mas investigações mostraram que a maioria das 103 crianças era do Chade e vivia com pelo menos um de seus pais ou algum outro parente adulto. Os seis franceses - duas mulheres e quatro homens, entre eles o presidente da Arca de Zoé, Eric Bretau - foram considerados culpados de "tentativa de seqüestro de crianças" e de "fraude" por ter tentado levar as 103 crianças do Chade para a França em 25 de outubro. Um chadiano e um sudanês, que serviram de intermediários na operação, foram acusados de "cumplicidade na tentativa de seqüestro" das crianças e condenados a 4 anos de prisão. Outros dois chadianos - o prefeito e o secretário-geral da prefeitura de Tiné, na fronteira com o Sudão - foram absolvidos da acusação de cumplicidade.Bretau e o intermediário sudanês também foram declarados culpados de falsificação e uso de documentos falsos.DECISÃO SOBERANAO Ministério de Relações Exteriores da França reagiu à condenação dos seis franceses. Em nota, afirmou que se tratou de uma "decisão soberana" da Justiça do Chade, mas informou que pedirá a repatriação do grupo. Um acordo assinado em 1976 entre os dois países permite o traslado dos condenados para a França e a conversão da pena para 8 anos de prisão (sem trabalhos forçados), informou ontem uma fonte judicial francesa.FRANCE PRESSE, REUTERS E ASSOCIATED PRESS

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.