Chade tem nova denúncia de seqüestro

Grupo de ONGs locais afirma que 74 crianças foram levadas em setembro, sem o aval dos pais, para a França

AP E REUTERS, Ndjamena, O Estadao de S.Paulo

09 de novembro de 2007 | 00h00

O governo do Chade anunciou ontem que irá apurar relatos de que 74 crianças chadianas foram levadas do país no dia 17 de setembro para um aeroporto militar próximo a Paris, sem o conhecimento de seus pais. A acusação foi feita por um grupo de ONGs locais.Masngarel Kagah, da promotoria do país, disse que ainda não está claro quem teria levado as crianças e a ONG francesa Arca de Zoé pode não estar envolvida nesse caso. A organização é o pivô de um escândalo, que veio à tona na semana passada, no qual foi acusada de tentar seqüestrar 103 crianças africanas e levá-las para serem adotadas na Europa. A organização alegava que os meninos eram órfãos do conflito em Darfur, que já matou mais de 200 mil pessoas. A ONU, porém, desmentiu o grupo, afirmando que a maioria vivia com suas famílias.De acordo com o promotor, a Rede de Associações de Direitos Humanos do Chade reuniu a informação sobre as 74 crianças após dezenas de pais informarem sobre o desaparecimento de seus filhos. Kagah afirmou que os garotos teriam entre 1 e 6 anos e disse que há suspeitas de que o número de seqüestrados seja maior. "Não sabemos quantas outras crianças chadianas foram levadas para fora do Chade nessas condições, mas iremos investigar", disse. A porta-voz da chancelaria francesa, Pascale Andreani, atenuou a nova acusação de seqüestro de crianças chadianas: "Essa informação não passa de mais um dos rumores que circulam após o problema com a Arca de Zoé. Não tem nenhum fundamento." Os chadianos afirmam que as crianças estavam a bordo de um avião que pousou na base militar de Mourmelon, nos arredores de Paris. Mas o Exército francês desmentiu a informação. "No dia 17 de setembro (data do suposto vôo), não houve nenhum movimento aéreo no local", disse o capitão Christophe Prazuck, porta-voz dos militares. Ele afirmou que o lugar não chega a ser uma base aérea, mas sim uma faixa de grama de 950 metros usada para o treinamento de pára-quedistas.REVOLTAO presidente da Arca de Zoé, Eric Breteau, prestou depoimento ontem na Corte federada, na capital do país, Ndjamena. Do lado de fora do prédio, dezenas de pessoas protestaram contra a libertação de sete europeus que acompanhavam o trabalho da ONG. Os manifestantes carregavam faixas com críticas ao presidente francês, Nicolas Sarkozy, que viajou para o país no domingo para resgatar três jornalistas franceses. A multidão pedia que os europeus fossem trazidos de volta ao Chade para serem julgados. "Sarkozy se transformou num herói para os traficantes de crianças", dizia um dos manifestantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.