Chance de sobreviventes de naufrágio na Indonésia diminui

Os serviços de socorro e resgate da Indonésia ainda procuram mais de 500 pessoas que desapareceram no mar depois do naufrágio de um navio em frente às costas de Java Central, apesar de as chances de algum sobrevivente ser encontrado serem poucas, já que diminuem a cada hora.Centenas de pessoas já estão a mais de 36 horas num mar revolto,desde que, na madrugada do sábado, uma embarcação com passageirosafundou num dos mais graves acidentes marítimos da história do país."Por enquanto, encontramos 122 pessoas, três das quais,infelizmente, estavam mortas", disse Angit, porta-voz doServiço Nacional de Busca e Resgate da Indonésia (Basornas) emSemarang, base das operações."Ainda temos esperanças de encontrar mais sobreviventes. Vimoscerca de 20 pessoas vivas no mar, mas está sendo muito difíciltirá-las, dado o mau tempo", afirmou, acrescentando que "asituação é desesperadora"."As equipes de resgate estão enfrentando ventos de entre 15 e 20nós e ondas de mais de três metros", disse Segundo ele, os náufragos, em geral, conseguem sobreviver até três dias no mar.De acordo com o Basornas, há mais de cem pessoas envolvidas nas operações de resgate, das quais participam seis aviões, três helicópteros e nove navios de guerra da Marinha, da Polícia e da Guarda Costeira, além de várias lanchas.O ministro dos Transportes do país, Hatta Radjasa, disse aosmeios de comunicação que, segundo os registros de embarque, nomomento do acidente, o ferryboat Senopati Nusadua transportava 542 passageiros, 57 tripulantes e 29 motoristas de ônibus ou caminhões junto com seus veículos.No entanto, na Indonésia é comum que as transportadoras carreguem mais passageiros do que o permitido. Alguns jornais informaram queno navio poderia haver cerca de 850 pessoas.Radjasa assegurou que o Senopati, comandado pelo capitãoWiranto, não era um navio muito velho e estava em boas condições.O ministro declarou que a embarcação, um ferry comum de 2.178toneladas e com capacidade para 800 passageiros, foi construída em1990, havia passado por uma manutenção este ano e estava de acordocom as normas de segurança.Segundo o portal de notícias Kompas, o Senopati tinha doisbarcos de emergência, cada um com capacidade para 50 pessoas, 1.025 coletes salva-vidas e 47 botes infláveis.Radjasa disse que o navio, que saiu do porto de Kundi, emKalimantan Central (na porção indonésia da Ilha de Bornéu), e seguia para Semarang, em Java Central, não desrespeitou nenhumarecomendação de navegação.Segundo o ministro, as autoridades portuárias autorizaram o navioa navegar, baseando-se no relatório da Agência de Meteorologia eGeofísica. "Infelizmente, o mau tempo surpreendeu a embarcação quando esta quase tinha alcançado seu destino", destacou.As Forças Armadas da Indonésia enviaram para o local do acidentecinco navios de guerra e três aviões, um dos quais carregava botespara ajudar na busca e no transporte das vítimas.Apesar do mau tempo, vários navios de pescadores de Java tambémresolveram ajudar no resgate.A maior parte dos sobreviventes encontrados estão sendo levadospara a vizinha ilha de Bawean, no leste de Java, onde estãorecebendo atendimento médico.O Senopati afundou nas águas de Suar Mandalika, perto dalocalidade de Bawean, a 30 milhas náuticas do sul de Kalimantan.Os naufrágios são freqüentes na Indonésia, o maior arquipélago domundo, com mais de 17 mil ilhas. Mas o acidente deste fim de semana foi o mais grave ocorrido nos mares do país nos últimos anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.