Chancelaria argentina responde às críticas feitas pelos EUA

A tensão nas relações entre a Argentina e os Estados Unidos está ficando mais intensa a cada momento, com novas mensagens do governo argentino. O chefe de gabinete da chancelaria argentina, Eduardo Valdez, afirmou há pouco que o sub-secretário de Assuntos Hemisféricos dos Estados Unidos, Roger Noriega, tem que ?acostumar-se ao fato de que a Argentina vai ter relações multilaterais sem pedir permissão? aos Estados Unidos. Roger Noriega criticou uma suposta ?giro à esquerda? do governo Kirchner por causa de suas relações com o governo cubano de Fidel Castro, e afirmou que isso é motivo de ?preocupações e de decepções? para os Estados Unidos. Eduardo Valdez afirmou que as declarações de Noriega ?surpreenderam porque não correspondem à qualidade de relação que se estava levando adiante com os Estados Unidos". Segundo ele, ?uma hora antes dessas declarações, o embaixador dos Estados Unidos na Argentina, Lino Gutiérrez, esteve reunido com o chanceler (Rafael Bielsa), já que a Casa Branca havia pedido uma reunião entre o presidente Bush e o presidente Kirchner". Valdez esclareceu que "o tema de Cuba não figurava em nenhum caso na agenda da reunião bilateral entre Bush e Kirchner". Para a chancelaria argentina, segundo Eduardo Valdéz, ?é público que Noriega é um anti-castrista militante e colocou este ingrediente que é um condimento de sua visão? para que ambos presidentes falem sobre isso na reunião da próxima semana. "Esses temas são de interesse de Noriega por causa da eleição este ano nos Estados Unidos e o voto anti-Castro pesa", analisou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.