Chanceler argentino vai a Cuba normalizar relações

O chanceler argentino, Rafael Biesa, chega na noite deste sábado a Cuba a fim de apresentar um novo embaixador e discutir negócios. A visita de Bielsa "demonstra a boa vontade de ambos os governos em dar um maior impulso aos laços bilaterais", segundo uma nota oficial publicada pelos meios locais.Bielsa chegará à meia-noite deste sábado e sua agenda prevêvisitas a hospitais, mercados agrícolas e conversações comfuncionários do governo. Na segunda-feira, ele acompanhará o embaixador designado, Abraham Taleb, na apresentação das credenciais e posteriormenteassinará acordos e conversará com a imprensa.Ainda não está certo - apesar de a agenda inicial nãocontemplar - se Bielsa ou alguém de sua comitiva iráencontrar-se com dissidentes, uma prática usual entre osvisitantes estrangeiros, mas que não foi cumprida dias atráspelo presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva.Paralelamente, o embaixador Taleb disse que um tema denegociação será a grande dívida cubana com a Argentina, de maisde US$ 1 bilhão. "Temos a intenção de abrir um diálogo neste sentido", adiantou Taleb há alguns dias em Buenos Aires. Os argentinos desejamparticipar de setores como o turismo e conseguir preferênciasalfandegárias para a venda de carne e maquinaria.A visita do chanceler e a chegada do embaixador reabrirá naprática a sede diplomática argentina em Havana, reduzida aomínimo de pessoal depois de um recente caso de corrupção - umasuposta venda de vistos - e as tensões que se amontoaram durantea década de 90, no governo Carlos Menem.Entretanto, a tensão maior ocorreu em 2001, quando Cuba acusouo ex-presidente Fernando de la Rua de ser "lambe-botas" deWashington, pelo voto contra a ilha na Comissão de DireitosHumanos em Genebra. Havana estimou que a atitude obedecia a pressões dos EUA em meio à grave crise econômica argentina.A relação entre os dois países deu um giro radical em 25 demaio, quando o presidente Fidel Castro viajou a Buenos Airespara a posse de Néstor Kirchner e lá permaneceu por três dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.