Chanceler brasileiro diz temer novos atentados após morte de Bin Laden

Para ministro Antonio Patriota, líder da Al-Qaeda estigmatizava mundo islâmico

BBC Brasil, BBC

02 de maio de 2011 | 12h18

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio Patriota, disse temer que a morte de Osama Bin Laden desencadeie outros atentados.  

 

 Veja também:

linkA repercussão do assassinato de Bin Laden pelo mundo

linkAriel Palacios: Governos da América do Sul saúdam EUA pela morte de Bin Laden

linkEUA emitem alerta sobre risco de violência 'anti-americana'  

link Morte de Bin Laden é celebrada no Facebook e com venda de camisetas

blog RADAR GLOBAL: Acompanhe notícias ao vivo

blog ADRIANA CARRANCA: Osama Bin Laden é morto em operação americana 

som ESTADÃO ESPN: Ouça os correspondentes

especialESPECIAL: Os braços da Al-Qaeda pelo mundo

blog ARQUIVO: Bin Laden, o mensageiro do terror

Segundo ele, o governo brasileiro "condena o terrorismo sob todas as suas formas de manifestação".

Patriota disse ainda que a figura de Osama Bin Laden "contribuía direta e indiretamente para que se estigmatizasse o mundo islâmico, onde as alternativas seriam a autocracia e o fundamentalismo".

"E nós sabemos que não é esse o caso", disse o chanceler.

"À medida que a Al Qaeda e Osama Bin Laden estiveram e ainda estão por trás de estratégias políticas que privilegiam atos terroristas, nós só podemos nos solidarizar com as vítimas e com aqueles que buscam a justiça", disse o ministro.

A morte de Bin Laden foi anunciada pelo presidente americano, Barack Obama, em um pronunciamento transmitido ao vivo pela televisão às 23h35 de domingo em Washington (0h35 de segunda-feira no Brasil).

O líder da rede Al-Qaeda foi baleado na cabeça por uma equipe militar de elite na cidade de Abbottabad, a 100 quilômetros de Islamabad, no Paquistão.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.