AP Photo/Misha Japaridze, File
AP Photo/Misha Japaridze, File

Chanceler britânico ameaça boicote diplomático à Copa da Rússia após envenenamento de espião

Sergei Skripal foi hospitalizado ontem junto com sua filha e está internado em estado grave em um hospital de Salisbury, contaminado por 'uma substância suspeita'

O Estado de S.Paulo

06 Março 2018 | 16h14

LONDRES - O secretário de Exterior do Reino Unido, Boris Johnson, ameaçou nesta terça-feira, 6, um boicote diplomático britânico à Copa do Mundo da Rússia caso fique comprovado o envolvimento do Kremlin no envenenamento de um espião russo que tornou-se um duplo agente ocidental e vivia no país desde 2010.

Sergei Skripal foi hospitalizado ontem junto com sua filha e está internado em estado grave em um hospital de Salisbury, contaminado por “uma substância suspeita”. O caso evocou a morte, também em solo britânico, do ex-agente da KGB Alexander Litvinenko, envenanado com polônio colocado em seu chá.  

“Se for confirmada a participação russa, a resposta será apropriada e enérgica”, disse Johnson. “Seria muito difícil imaginar que a representação do Reino Unido nesse evento seguiria normalmente.”

Johnson ressaltou, no entanto, que o protesto se limitaria ao campo diplomático e não afetaria a participação da seleção inglesa no torneio.

 “Aviso aos governos de todo o mundo que nenhuma tentativa de acabar com uma vida inocente no Reino Unido ficará sem castigo ou sanção”, completou Johnson.

A polícia britânica procurava na pequena cidade de Salisbury a substância usada para envenenar o ex-espião russo Sergei Skripal e sua filha, Yulia, de 33 anos. Os dois foram encontrados em um banco próximo a um shopping de Salisbury, a cidade do sul da Inglaterra em que mora.

“Não tinham ferimentos visíveis e foram levados para o hospital do distrito de Salisbury. Estão sendo tratados por exposição a uma substância desconhecida, afirmou a polícia do condado de Wiltshire.

Um dos funcionários da emergência que atendeu as vítimas também foi internado e está em observação. A polícia isolou um restaurante italiano e um pub próximos ao shopping. Uma testemunha, Freya Church, disse à BBC que os dois pareciam ter tomado "algo muito forte".c"Ela estava apoiada nele. Parecia que havia desmaiado. Ele fazia movimentos estranhos com a mão, olhando para o céu", relatou.

Outro lado

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, afirmou "não ter nenhuma informação" sobre o caso. "Vocês sabem, porque ele estava no Ocidente, por quais ações e decisões. Não vou voltar a falar sobre isso. E agora observamos que aconteceu uma situação trágica. Mas não tempos informações sobre os motivos", disse Peskov.

Agente duplo

Skripal, um coronel russo que passou informações ao serviço secreto britânico, foi preso na Rússia, mas depois foi incluído em uma troca de espiões no aeroporto de Viena em 2010 e morava no Reino Unido desde então.

Nascido em 23 de junho de 1951, Skripal trabalhou até 1999 no serviço de Inteligência do Exército russo e chegou à patente de coronel. De 1999 a 2003, trabalhou no Ministério das Relações Exteriores.

Em 2004, foi detido e acusado de "alta traição" por ter repassado informações sobre as identidades de agentes secretos russos que trabalhavam na Europa ao serviço de Inteligência britânico em troca de mais de US$ 100 mil. Skripal, que, segundo a agência TASS, teria sido recrutado em 1995 pelos britânicos, foi condenado a 13 anos de prisão em 2006. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.