AFP PHOTO / ENRIQUE DE LA OSA
AFP PHOTO / ENRIQUE DE LA OSA

Chanceler britânico defende ampliação de laços bilaterais em visita a Cuba

Philip Anthony Hammond, primeiro secretário de Estado para as Relações Exteriores da Grã-Bretanha a visitar cuba desde 1959, disse que há 'grande potencial' para melhorar laços com cubanos

O Estado de S. Paulo

29 Abril 2016 | 11h17

HAVANA - O secretário de Estado para as Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Philip Anthony Hammond, o primeiro chanceler britânico que visita Cuba após o triunfo da Revolução em 1959, destacou na quinta-feira, 28, em Havana a evolução "favorável" das relações entre os dois países e defendeu sua ampliação.

"A Grã-Bretanha sempre teve relações com todos os países e vimos uma trajetória favorável na evolução de nossas relações bilaterais" com Cuba, disse o chanceler britânico a seu colega cubano Bruno Rodríguez, com quem se reuniu no Ministério das Relações Exteriores da ilha.

Hammond também considerou que há um "grande potencial para seguir melhorando as relações entre a Grã-Bretanha e Cuba nos próximos meses e, inclusive, anos", em áreas como o comércio e o turismo.

Bruno Rodríguez, por sua vez, afirmou que para Cuba as relações com os britânicos constituem uma "prioridade", da mesma forma que com a Europa, e ressaltou os progressos "significativos" que tiveram as relações bilaterais em intercâmbios culturais, esportivos, comerciais, investimento e turismo.

Além disso, o ministro cubano destacou que os vínculos entre Cuba e Grã-bretanha se encontram em um momento "promissor", com um "amplo potencial" de desenvolvimento, e agradeceu a contribuição britânica nos avanços com a União Europeia para a assinatura de um acordo de diálogo político e cooperação.

Hammond também assinou na quinta-feira quatro memorandos de entendimento para fortalecer a cooperação nos setores de cultura, energia, educação superior, financeiro e de serviços profissionais. Nesse sentido, o chanceler britânico disse à imprensa que essas são áreas "específicas" nas quais ambas as partes consideram que as relações bilaterais podem ser "ampliadas e mais desenvolvidas".

"Prevejo um fortalecimento do diálogo bilateral no qual possamos abordar temas de interesse mútuo com um espírito construtivo na medida em que avançamos e trabalhamos em favor de uma cooperação bilateral maior, que esteja respaldada por um maior nível de comércio, de relações comerciais e econômicas e de turistas em Cuba", acrescentou Hammond.

O chanceler britânico ratificou a posição em favor do fim do embargo econômico que os Estados Unidos aplicam sobre Cuba, e ressaltou que "essa continua sendo a postura" de seus parceiros na União Europeia. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.