REUTERS / Jose Miguel Gomez
REUTERS / Jose Miguel Gomez

Chanceler colombiana discute crise com Venezuela na ONU

Ela se reuniu com alto-comissário dos direitos humanos em Genebra como parte de ofensiva diplomática do governo Santos contra os maus-tratos que seus cidadãos vêm sofrendo do governo venezuelano

O Estado de S. Paulo

07 Setembro 2015 | 16h25

BOGOTÁ - A chanceler da Colômbia, María Ángela Holguín, se reuniu nesta segunda-feira, 7, com o alto-comissário da ONU para Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al Hussein, em Genebra, para denunciar a crise humanitária que vivem milhares de colombianos após terem sido deportados e expulsos da vizinha Venezuela.

Essa é a primeira das reuniões que María Ángela deve ter esta semana com várias autoridades, como parte da ofensiva diplomática do governo do presidente Juan Manuel Santos contra os maus-tratos que seus cidadãos vêm sofrendo do governo venezuelano. Na quarta-feira, a chanceler deve se encontrar com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon.   

Segundo o governo colombiano, até agora a Venezuela já expulsou e deportou 1.408 colombianos. Acredita-se que outros 15 mil tenham deixado o país por conta própria, temendo represálias da administração do presidente Nicolás Maduro. Quase 3 mil pessoas estão em acampamentos provisórios montados na cidade fronteiriça de Cúcuta.    

A crise começou no dia 20, quando a Venezuela mandou fechar as fronteiras no Estado de Táchira, após um ataque contra três militares que combatiam ações de contrabando na cidade de San Antonio del Táchira. No domingo, Maduro voltou a propor publicamente um encontro com Santos. "Faço novamente um chamando ao presidente Santos: não tenha medo do diálogo. Só com o diálogo você e eu poderemos chegar a uma solução. Estou disposto a sentar e conversar onde você quiser, quando você quiser e como você quiser", disse o presidente venezuelano. 

Maduro sinalizou que estava esperando os resultados de conversas que estão sendo mediadas pelos chanceleres do Brasil, Mauro Vieira, e da Argentina, Héctor Timerman, com quem se reuniu no sábado, na Jamaica. 

Na mensagem do Angelus na Praça São Pedro, no domingo, o papa Francisco pediu aos colombianos e venezuelanos que rezem para superar a crise. O pontífice afirmou que bispos dos dois países se reuniram na quinta-feira, em Bogotá, para tratar da crise. "Vejo neste encontro um claro sinal de esperança", afirmou Francisco. O presidente colombiano respondeu e agradeceu a mensagem do papa Francisco, em sua conta no Twitter, postando um link para o vídeo da mensagem. / AP e AFP

  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.