Chanceler da ditadura uruguaia é condenado a 20 anos

Juan C. Blanco, chanceler da ditadura militar que vigorou no Uruguai entre 1973 e 1985, foi condenado a 20 anos de prisão pelo desaparecimento e homicídio de uma professora anarquista. O crime causou a ruptura das relações diplomáticas entre Uruguai e Venezuela em 1976, anunciou nesta quarta-feira o juiz Juan Fernández Lecchini.

AE-AP, Agência Estado

21 de abril de 2010 | 18h34

"Ele foi condenado em primeira instância pelo assassinato de Elena Quinteros em decisão tomada hoje", declarou o magistrado quando se preparava para revelar sua decisão à promotora Mirtha Guianze e aos advogados do réu.

Blanco está detido enquanto responde a acusações referentes a esta e a outras violações dos direitos humanos cometidas pela ditadura uruguaia, considerada uma das mais sangrentas da América Latina na época. O ex-chanceler uruguaio, atualmente com 78 anos de idade, é o primeiro civil detido por crimes cometidos por agentes do governo durante a ditadura em questão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.