Remy de la Mauviniere/AP
Remy de la Mauviniere/AP

Chanceler da França pressionará ONU por sanções à Síria

Alain Juppé vai a Nova York para reunião com o Conselho de Segurança e ministros árabes

Efe

30 de janeiro de 2012 | 10h43

PARIS - O ministro de Exteriores da França, Alain Juppé, viajará na terça-feira a Nova York para pressionar o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) a "assumir todas as suas responsabilidades" em relação à situação da violência na Síria, informou nesta segunda-feira, 30, a chancelaria de Paris. O chanceler britânico, William Hague, deve acompanhá-lo. 

 

Veja também:
especialMAPA: 
A revolta que abalou o Oriente Médio
mais imagens OLHAR SOBRE O MUNDO: Imagens da revolução
tabela ESPECIAL: Um ano de Primavera Árabe 

 

O Ministério recordou que participarão do encontro ministros de países árabes e representantes dos países membros do Conselho. "A situação na Síria continua dramática e não para de piorar. Dezenas de civis foram mortos nos últimos dias por causa da repressão conduzida pelo regime sírio", afirmou um porta-voz da chancelaria.

 

Ainda de acordo com o Ministério, "já é hora de o Conselho de Segurança atuar para contribuir com a solução da crise". "Temos que fazer todo o possível para colocar um fim à espiral de violência que o regime de Bashar Assad promove há dez meses", continuou o porta-voz.

 

Na reunião de terça, o Conselho ouvirá os relatos da comissão de investigadores enviados pela Liga Árabe à Síria desde o final de dezembro. Na semana passada foi apresentado um esboço de uma nova resolução a ser votada, mas qualquer texto apresentado no órgão deve parar na resistência da Rússia e da China, que se recusam a apoiar sanções contra Damasco.

 

De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 5 mil pessoas morreram desde então. Damasco culpa "terroristas e grupos armados" pelo caos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.