REUTERS/Maxim Zmeyev/Lucas Jackson
REUTERS/Maxim Zmeyev/Lucas Jackson

Rússia diz que relatos de que Trump teria revelado informações secretas são ‘falsos’

Porta-voz do Kremlin afirmou que questão é 'nonsense' e não merece 'ser confirmada ou negada'

O Estado de S.Paulo

16 Maio 2017 | 08h07

MOSCOU - Os relatos de que o presidente dos EUA, Donald Trump, revelou informações altamente secretas sobre uma operação planejada do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) para o chanceler da Rússia, Serguei Lavrov, são "falsos", disse o Ministério de Relações Exteriores russo, segundo a agência de notícias Interfax, nesta terça-feira, 16.

O porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, afirmou que a questão da suposta divulgação de informações por Trump não merece ser confirmada ou negada, qualificando-a de "nonsense".

"Para nós, isso não é uma questão, é nonsense", disse Peskov quando questionado sobre os relatos divulgados pelo jornal The Washington Post. "Não é uma questão que merece ser confirmada ou negada."

A Casa Branca também qualificou como "falsa" a informação publicada pelo Post. "O artigo é falso", afirmou em um breve pronunciamento o assessor de segurança nacional da Casa Branca, o tenente-general H.R. McMaster, que assegurou que Trump não revelou "fontes, métodos ou operações militares" a Lavrov, apesar de a publicação não mencionar essa informação.

Segundo o jornal, Trump repassou a Lavrov informações relacionadas à possibilidade de que os jihadistas utilizem laptops para realizar algum tipo de ataque terrorista em voos comerciais, afirmações às quais McMaster não se referiu.

A informação foi proporcionada por um país aliado dos EUA e seu conteúdo é tão secreto que nem sequer outros de seus parceiros receberam esses tipos de dados, segundo as fontes citadas pelo Post e confirmadas pelo The New York Times.

"Eu estava lá, isso não aconteceu", reforçou McMaster, que, no entanto, admitiu que Trump e Lavrov falaram sobre um "leque de ameaças comuns", incluindo "ameaças à aviação comercial".

Também participou do encontro entre Trump e Lavrov na quarta-feira 10 o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, que negou que se tenha falado sobre "fontes, métodos ou operações militares".

Segundo o Post, a Casa Branca imediatamente informou à Agência Central de Inteligência (CIA) e à Agência de Segurança Nacional (NSA) para reduzir o impacto das revelações que poderia afetar a capacidade de Washington e seus aliados para detectar novas ameaças.

A reunião de Trump com os enviados russos foi vista como um problema de imagem inoportuno por ter acontecido um dia depois de o presidente demitir o diretor do FBI (Polícia Federal americana), James Comey, que liderava a investigação sobre a possível influência do Kremlin nas eleições de 2016. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.