REUTERS/Marco Bello
REUTERS/Marco Bello

Chanceler da Venezuela nega que exista crise humanitária no país

Jorge Arreaza atribui relatos de falta de comida e remédios a 'truque unilateralista'

O Estado de S.Paulo

26 Fevereiro 2018 | 12h48

CARACAS - O chanceler da Venezuela, Jorge Arreaza, afirmou nesta segunda-feira,26, no Conselho de Direitos Humanos da ONU que não existe crise humanitária no país, apesar da situação de penúria que afeta parte da população.

+ Estados Unidos expõem corrupção de estatais chavistas

"Se pretende fazer que o mundo acredite que na Venezuela há uma crise humanitária, um velho truque unilateralista", disse em um discurso em Genebra.

Arreaza fez menção, mas sem uma citação direita, a Colômbia, onde o presidente Juan Manuel Santos denuncia uma crise humanitária que, segundo números de seu governo, levou 500.000 venezuelanos a atravessar a fronteira.

O chanceler também criticou o que chamou de "relatórios sem fundamento" do Alto Comissariado das Nações Unidas, assim como os especialistas da ONU que "publicam diagnósticos a partir de fontes insólitas, sem jamais terem visitado a Venezuela".

A situação na Venezuela, onde a população sofre as consequências de uma enorme inflação e da escassez de alimentos e medicamentos, é objeto de controvérsia entre o governo de Caracas e vários países e instituições internacionais, que insistem em descrever uma situação grave.

+Cúpula da PDVSA recebia presentes de luxo

Nesta segunda-feira, os chanceleres da União Europeia (UE) debatem a situação de uma Venezuela em "horas críticas", nas palavras da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

Arreaza também citou as eleições presidenciais convocadas para 22 de abril, nas quais Nicolás Maduro aspira a reeleição. A coalizão de oposição Mesa da Unidade Democrática (MUD) decidiu não participar no pleito, que acusa de fraude.

"Teremos eleições livres, soberanas, transparentes, em 22 de abril", afirmou o chanceler./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.