Chanceler de Kadafi deixará o governo, diz Reino Unido

Ministro de Exteriores é um dos aliados mais próximos do ditador líbio e viajou para Londres

estadão.com.br

30 de março de 2011 | 16h07

TÚNIS - O ministro das Relações Exteriores da Líbia, Moussa Koussa, chegou a Londres nesta quarta-feira, 30, e abandonou o posto, informou a chancelaria britânica. Moussa era um dos principais aliados do ditador Muamar Kadafi e deixou a Líbia por vontade própria.

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

"Ele nos comunicou que abandonou o posto", diz o comunicado da diplomacia britânica. " Encorajamos os aliados de Kadafi a o abandonarem e acreditarem em um futuro para a Líbia que permita uma transição política". Segundo o canal árabe Al-Jazira, o ministro do Petróleo e o chefe de inteligência de Kadafi também estariam no avião que chegou a Londres, além de outros membros do governo. Koussa deve esclarecer tudo oficialmente na quinta-feira.

 

 

 

De acordo com a agência TAP, Koussa deixou o país durante a tarde em um avião suíço que decolou em direção à capital britânica. Na terça-feira houve uma conferência entre líderes árabes, africanos e do Ocidente em Londres sobre a situação na Líbia.

 

 

Um porta-voz da chancelaria líbia afirmou que a viagem de Koussa se trata de uma "missão diplomática" e desmentiu boatos de que o ministro estaria desertando. to.

 

Koussa é um dos ministros mais próximos do ditador líbio e o principal nome por trás da política diplomática dos últimos anos que recolocou a Líbia de volta no cenário internacional após anos de sanções.

 

A viagem do chanceler pode significar que o governo de Kadafi esteja buscando uma solução diplomática para a crise na Líbia. O coronel enfrenta há mais de um mês uma revolta popular que quer encerrar seus 41 anos no poder. O ditador tem sido pressionado pela comunidade internacional, que aprovou uma incursão militar no país para proteger os civis.

 

Com Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.