Chanceler de Kadafi deixará o governo, diz Reino Unido

Ministro de Exteriores é um dos aliados mais próximos do ditador líbio e viajou para Londres

estadão.com.br

30 Março 2011 | 16h07

TÚNIS - O ministro das Relações Exteriores da Líbia, Moussa Koussa, chegou a Londres nesta quarta-feira, 30, e abandonou o posto, informou a chancelaria britânica. Moussa era um dos principais aliados do ditador Muamar Kadafi e deixou a Líbia por vontade própria.

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

"Ele nos comunicou que abandonou o posto", diz o comunicado da diplomacia britânica. " Encorajamos os aliados de Kadafi a o abandonarem e acreditarem em um futuro para a Líbia que permita uma transição política". Segundo o canal árabe Al-Jazira, o ministro do Petróleo e o chefe de inteligência de Kadafi também estariam no avião que chegou a Londres, além de outros membros do governo. Koussa deve esclarecer tudo oficialmente na quinta-feira.

 

 

 

De acordo com a agência TAP, Koussa deixou o país durante a tarde em um avião suíço que decolou em direção à capital britânica. Na terça-feira houve uma conferência entre líderes árabes, africanos e do Ocidente em Londres sobre a situação na Líbia.

 

 

Um porta-voz da chancelaria líbia afirmou que a viagem de Koussa se trata de uma "missão diplomática" e desmentiu boatos de que o ministro estaria desertando. to.

 

Koussa é um dos ministros mais próximos do ditador líbio e o principal nome por trás da política diplomática dos últimos anos que recolocou a Líbia de volta no cenário internacional após anos de sanções.

 

A viagem do chanceler pode significar que o governo de Kadafi esteja buscando uma solução diplomática para a crise na Líbia. O coronel enfrenta há mais de um mês uma revolta popular que quer encerrar seus 41 anos no poder. O ditador tem sido pressionado pela comunidade internacional, que aprovou uma incursão militar no país para proteger os civis.

 

Com Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.