Chanceler de Saddam Hussein é condenado à morte no Iraque

Tariq Aziz, que já cumpria prisão por outros crimes, foi sentenciado por perseguição de partidos xiitas.

BBC Brasil, BBC

26 de outubro de 2010 | 12h09

Aziz foi um assessor próximo de Saddam e se rendeu aos EUA

O ex-chanceler e ex-vice-premiê iraquiano Tariq Aziz, que por muitos anos representou o governo de Saddam Hussein (1979-2003) no exterior, foi nesta terça-feira condenado à morte pela Suprema Corte do Iraque.

Segundo um comunicado oficial, Aziz foi sentenciado por crimes relacionados à perseguição de partidos xiitas nos anos 1980 e 1990. Aziz, entretanto, ainda pode apresentar recurso contra a sentença, que tem de ser confirmada por um conselho presidencial.

Outras duas autoridades também receberam a mesma sentença de Aziz: o ex-ministro do Interior Sadoun Shakir e o ex-secretário particular de Saddam, Abed Hamoud.

Aziz, 74, se rendeu aos Estados Unidos após a invasão do Iraque, em 2003. Em 2009, foi condenado a 15 anos de prisão pelo assassinato de dezenas de comerciantes iraquianos durante a Guerra do Golfo (1991).

Cinco meses depois, recebeu nova condenação, de sete anos, por seu papel no deslocamento forçado da população curda do norte do Iraque.

Debilitado

O ex-chanceler foi o cristão que ocupou o cargo de mais alto escalão dentro do governo de Saddam, de quem era um assessor próximo.

Fluente em inglês, ele representava a face suave do governo iraquiano perante a comunidade externa e é uma das poucas figuras remanescentes do antigo regime.

O ex-chanceler já sofreu um ataque cardíaco e acredita-se que sua saúde esteja bastante debilitada.

Seu filho, Ziad Aziz, nega que o pai seja culpado e diz que sua sentença é um ato de "vingança".

"Ele foi um político, ele lidava com a mídia. Ele não lidava com a segurança (do Iraque)", disse Ziad na Jordânia à BBC. "Querem matar todos os que pertenceram ao antigo governo."

Saddam Hussein, um muçulmano sunita, reprimiu fortemente a oposição xiita, incluindo o partido Dawa, do atual premiê iraquiano Nuri Al-Maliki.

O correspondente da BBC em Bagdá Jim Muir relata que há um ódio visceral dentro do atual governo pelos apoiadores do antigo regime, que reprimia a maioria xiita do país.

Mas muitos não veem Aziz como culpado - como cristão, ele nunca deteve tanto poder quanto o clã sunita ao redor de Saddam -, e é possível que se forme um lobby para evitar sua execução.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.