Daniel Walker/AFP
Daniel Walker/AFP

Chanceler denuncia 'golpe de Estado a caminho' na Bolívia

Ministro das Relações Exteriores boliviano, Diego Pary também afirmou que 2º turno das eleições presidenciais poderá ser realizado caso auditoria da OEA assim defina

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de novembro de 2019 | 01h41

WASHINGTON - O ministro das Relações Exteriores da Bolívia, Diego Pary, denunciou nesta segunda-feira, 4, um "golpe de Estado a caminho" no país. De acordo com Pary, a movimentação está em andamento desde a realização das eleições presidenciais no país, em 20 de outubro, com o início protestos contra o governo do presidente reeleito, Evo Morales. O ministro não descartou a possibilidade de um segundo turno caso a auditoria do pleito, que está sendo feita pela Organização dos Estados Americanos (OEA), proponha a disputa.

"Vamos esperar o que a auditoria vai definir. Se a auditoria tomar uma definição nesse sentido, também estamos dispostos a cumpri-la", disse o chanceler aos jornalistas ao término da sessão extraordinária do Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA).

Pary afirmou que o governo de Morales se comprometeu com a OEA a "cumprir a decisão que será tomada" após a auditoria iniciada pela organização.

"Esta auditoria nos permitirá elucidar se houve ou não a fraude denunciada pelo candidato perdedor", acrescentou o chefe da diplomacia boliviana.

O chanceler ainda descartou a possibilidade de haver qualquer diferença entre o trabalho da OEA e a avaliação a ser feita pelo Conselho de Especialistas Eleitorais da América Latina (CEELA), e defendeu que o processo eleitoral "foi absolutamente transparente".

"Na realidade, são auditorias complementares que não se contradizem porque o que vai ser feito é a verificação do que aconteceu no dia das eleições. Vai ser verificado desde o primeiro momento em que se inicia a votação até ao momento em que se procede à contagem dos votos. Portanto, não deve haver qualquer diferença entre o processo de verificação que eles fazem", disse. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.