Nicholas Kamm/AFP
Nicholas Kamm/AFP

Chanceler diz que Brasil não pode mediar diálogo na Venezuela

Segundo Aloysio Nunes, há 'um lado muito definido'

Cláudia Trevisan, Enviada especial / Nova York, O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2017 | 22h38

O Brasil não pode mediar as negociações entre a oposição e o governo da Venezuela porque tem “um lado muito definido”, disse nesta quinta-feira em Nova York, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. Os dois lados tentam definir as condições para iniciarem conversas na República Dominicana.

Na semana passada, o presidente do país anfitrião das negociações, Danilo Medina, anunciou a formação de um “grupo de amigos” para acompanhar as discussões: México e Chile, alinhados com a oposição, e Bolívia e Nicarágua, ao lado do governo de Nicolás Maduro.

A crise no país caribenho foi discutida nesta quinta-feira à margem da Assembleia-Geral da ONU pelo Grupo de Lima, formado por 12 países críticos do regime venezuelano: Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru.

Segundo Aloysio, o grupo recebeu um comunicado da Mesa de Unidade Democrática (MUD), aliança que reúne a oposição venezuelana. O documento diz que eles estão abertos ao diálogo, mas ressaltam que ele deve ser de boa-fé.

“É necessário que o governo venezuelano apresente, ponha sobre a mesa, fatos concretos que levem a acreditar no seu real desejo de resolver (a crise)”, observou Aloysio. Entre as medidas, ele mencionou a libertação de presos políticos e o respeito a prerrogativas da Assembleia Nacional, controlada pela oposição.

O ministro afirmou que a definição de data para o início formal das conversas depende da apresentação dessas garantias à oposição.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.