Chanceler diz que crise no governo palestino "parece" ter passado

O primeiro-ministro Mahmoud Abbas está ?enfrentando problemas?, mas a crise em torno de seu governo, refletida em sua ameaça de renunciar, ?parece? ter passado, disse nesta quinta-feira em Pequim o chanceler palestino, Nabil Shaat. Uma indicação sobre a real intensidade dos problemas enfrentados por Abbas pode ser a efetivação ou não da reunião entre os chefes de segurança israelense e palestino, marcada para hoje e que não foi confirmada esta tarde (hora local), quando o chefe de segurança palestino, Mohammed Dahlan, disse que o encontro seria adiado por algumas horas. Em visita à capital chinesa, Shaat disse que os problemas de Abbas foram exacerbados pelas dificuldades com Israel, numa referência à disputa dentro do partido Fatah - liderado pelo presidente da Autoridade Palestina (AP), Yasser Arafat - sobre a conduta dos palestinos frente às negociações com os israelenses. Entre os temas controversos, está o da libertação dos prisioneiros palestinos retidos em Israel. Em um gesto em apoio à ala moderada de Abbas, o enviado dos EUA à região, John Wolf, prometeu ontem pedir ao ministro da Defesa israelense, Shaul Mofaz, que desmantelasse os postos mais avançados das colônias judaicas na Cisjordânia e libertasse mais presos palestinos. Outro gesto foi a aprovação, pelo Departamento de Estado dos EUA, de uma verba de US$ 20 milhões para a AP investir em áreas de onde o exército israelense se retirou recentemente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.