Chanceler diz que Israel não decidiu matar Arafat

O ministro das relações exteriores de Israel, Silvan Shalom, disse hoje que o governo do país ainda não tomou nenhuma decisão formal sobre a idéia de assassinar Yasser Arafat. A declaração, aparentemente, é uma tentativa de atenuar os efeitos da declaração do vice-primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, que no domingo afirmou que matar Arafat era ?uma opção? do governo de Ariel Sharon. Yasser Arafat voltou com toda força ao cenário político na Palestina. Depois que o governo de Israel anunciou que tinha a intenção oficial de expulsá-lo, ainda que sem marcar data para fazê-lo, uma multidão acorreu à sua base na Cisjordânia para manifestar apoio. Agora, o novo primeiro-ministro palestino, Ahmed Korei, informou ao Fatah, partido de Arafat, que pode escolher 16 dos 24 postos de seu gabinete. A decisão de Korei, na prática, dá grande poder a Arafat na gestão da Palestina. A lista dos integrantes do Fatah que farão parte do gabinete de Korei terá que ser aprovada por Arafat.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.