Evgenia Novozhenina / Reuters
Evgenia Novozhenina / Reuters

Chanceler do Irã pede mediação da União Europeia com os EUA para salvar acordo nuclear

Joe Biden prometeu retornar os EUA ao acordo, mas com a condição de que Teerã volte primeiro a cumprir as cláusulas que passou a ignorar em resposta às sanções do governo Trump

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de fevereiro de 2021 | 19h58

WASHINGTON - O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, pediu nesta segunda-feira, 1º, à União Europeia que medie o retorno de Teerã e Washington ao acordo nuclear, após um debate sobre quem deve agir primeiro.

O representante da UE para as Relações Exteriores, Josep Borrell, pode se tornar "o coordenador de uma comissão conjunta" para acompanhar o acordo de 2015 e delinear "as ações que os Estados Unidos e o Irã precisam realizar", disse Zarif à jornalista da CNN Christiane Amanpour.

“É claro que pode haver um mecanismo para sincronizar“ o retorno dos dois países ao acordo ”ou para coordenar o que pode ser feito”, acrescentou.

O Acordo de Viena assinado entre Teerã e as grandes potências - Estados Unidos, China, Rússia, Alemanha, França, Reino Unido - impôs limites ao programa nuclear da República Islâmica, restringindo-o ao uso civil, para evitar que seja equipado com uma bomba atômica, em troca do levantamento das sanções econômicas contra Teerã.

Mas em 2018, o então presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do acordo - que ele considerou insuficiente, lamentando não ter atacado o programa de mísseis balísticos iraniano ou outras atividades "desestabilizadoras" no Oriente Médio - e reinstaurou e até mesmo ampliou as sanções dos EUA contra o Irã.

O novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, prometeu retornar o país ao acordo, mas com a condição de que Teerã volte primeiro a cumprir as cláusulas que passou a ignorar em resposta às sanções do governo Trump.

De sua parte, o Irã exigiu até agora que o governo Biden dê o primeiro passo e levante as sanções antes de qualquer coisa./AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.