Chanceler do Irã vê 'chance real' de acordo com os Estados Unidos

Mohamed Javad Zarif diz que EUA devem acabar com as sanções e reconhecer o direito do Irã enriquecer urânio para fins pacíficos

O Estado de S.Paulo,

30 de setembro de 2013 | 02h15

TEERÃ - O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohamed Javad Zarif, disse ontem haver uma "chance real" de acordo com os EUA sobre o programa nuclear iraniano. Para isso, segundo Zarif, os EUA devem estar preparados para acabar com as sanções e reconhecer o direito de Teerã de enriquecer urânio para fins pacíficos.

Em entrevista à rede americana ABC, o chanceler iraniano indicou que seu país está disposto a permitir que inspetores internacionais tenham acesso a áreas sensíveis de seu programa atômico. Ele voltou a afirmar que o Irã não pretende adquirir capacidade para fazer uma bomba nuclear, ao contrário do que acreditam americanos, europeus, israelenses e outros governos da região.

Ao mesmo tempo em que Zarif enviava uma mensagem de moderação ao público americano, seu vice, Abbas Araghchi, tentou conter a desconfiança entre setores mais radicais do regime iraniano. Em uma entrevista à agência de notícias local Fars, Araghichi reforçou que o governo de Hassan Rohani "não confia 100% nos EUA".

"É claro que, com a história de forte tensão entre Teerã e Washington, não se voltará para relações normais com um telefonema ou uma reunião de negociação", disse o vice-chanceler, referindo-se à conversa que Rohani teve por telefone com seu colega americano, Barack Obama, na sexta-feira, enquanto o líder iraniano se preparava para voltar de Nova York. Ao desembarcar em Teerã, Rohani foi hostilizado na saída do aeroporto por um pequeno grupo de manifestantes.

Hoje, Obama deve se encontrar com o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, em Washington. O governo israelense e o próprio premiê vêm manifestando forte desconfiança diante da "ofensiva de charme" lançada por Rohani para reduzir o isolamento internacional de seu país.

Ontem, Israel afirmou ter detido um cidadão belga de origem iraniana que estaria tentando se infiltrar no país. O homem foi identificado pelo serviço de inteligência interna israelense como Ali Mansouri. /AP

Mais conteúdo sobre:
IrãZarifacordoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.