Chanceler do Quirguistão se encontra com diplomata americano

Reunião ocorreu em Washington; Casa Branca não tomou posição oficial sobre novo governo quirguiz

08 de abril de 2010 | 19h36

Reuters

 

WASHINGTON- Segundo oficiais do Departamento de Estado, o ministro de Relações Exteriores quirguiz, Kadyrbek Sarbayev, se encontrou nesta quinta-feira, 8, com um alto diplomata em Washington, enquanto representantes dos Estados Unidos na capital do Quirguistão se encontraram com a líder da oposição, Roza Otunbayeva.

 

Veja também:

linkSaiba mais sobre a base militar dos EUA no Quirguistão

linkOposição quirguiz afirma que Rússia participou de deposição de Bakiyev

linkOposição toma o poder no Quirguistão

linkONU vai enviar representante ao Quirguistão

linkPresidente do Quirguistão se recusa a renunciar

linkSaiba mais sobre o Quirguistão

mais imagens Veja imagens dos conflitos em Bishkek   

 

O porta-voz do Departamento de Estado, P.J. Crowley, se recusou a dar detalhes específicos do encontro de Sarbayev com o secretário assistente de Estado, Robert Blake, e da reunião entre um oficial americano e Otunbayeva, afirmando que as duas conferências foram breves.

 

"Nós expressamos nossas preocupações sobre a corrupção no Quirguistão e seu governo. Nós queremos ver o Quirguistão continuar a desenvolver um caminho para a democracia", afirmou.

 

Os Estados Unidos afirmaram nesta quinta que não iriam tomar uma posição sobre o governo do Quirguistão, tentando balancear as relações tanto com o presidente deposto quanto com os autoproclamados novos líderes do país, que abriga uma base americana chave na região.

 

"Nossa mensagem para os dois lados é a mesma", disse Crowley, em uma coletiva de imprensa. "Nós vamos continuar a pressioná-los para resolverem isso de uma forma pacífica".

 

A Casa Branca também pediu calma e afirmou que almeja a volta da democracia no Quirguistão após os confrontos dessa semana, que deixaram ao menos 75 mortos e tirou o presidente Kurmanbek Bakiyev da capital.

 

Contudo, oficiais americanos ainda não esclareceram quem Washington acredita que está no controle do poder, mantendo uma delicada ambiguidade até que uma vitória clara de um dos lados ocorra no país.

 

"Nossos interesses são ter boas relações com o governo do Quirguistão - qualquer que seja", disse James Collins, um ex-embaixador dos Estados Unidos em Moscou.

 

Mas o interesse imediato dos Estados Unidos no Quirguistão é a base aérea de Manas, que fornece apoio a operações militares no vizinho Afeganistão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.