Chanceler egípcio vê risco de golpe militar no país se protestos continuarem

Ahmed Aboul Gheit disse que militares terão que defender país se 'aventureiros' comandarem reformas

AE, Agência Estado

10 de fevereiro de 2011 | 10h04

 

 

 

CAIRO - O ministro das Relações Exteriores do Egito, Ahmed Aboul Gheit, alertou nesta quinta-feira, 10, para o risco de um golpe militar no país, caso prossigam as grandes manifestações e não seja seguido um cronograma comandado pelo governo para reformas graduais.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

som TV Estadão: Veja imagens dos protestos na praça Tahrir

documento Artigo: Entre Teerã de 1979 e Berlim de 1989

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

 

Falando à rede de notícias árabe Al-Arabiya, Gheit disse que se "aventureiros" comandarem o processo de reformas, os militares "serão levados a defender a Constituição e a segurança nacional, e nós nos encontraremos em uma situação muito grave".

 

Os comentários de Gheit foram a segunda ameaça velada nesta semana do regime para o risco de uma tomada militar do poder. Os comentários sugerem que pode haver uma nova confrontação caso os manifestantes ganhem força, com greves por todo o país.

 

Ontem, o vice-presidente egípcio, Omar Suleiman, alertou para o risco de um golpe. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.