Chanceler iraniano diz que 'agora é a hora' de um acordo nuclear

Com a aproximação do prazo final para chegar a um acordo nuclear com Teerã, autoridades iranianas sinalizaram neste domingo a vontade de concluir a negociação. Em uma Conferência Internacional sobre Segurança, que reuniu as principais autoridades mundiais de Defesa, o chanceler iraniano Mohammed Javad Zarif disse "esta é a oportunidade".

Estadão Conteúdo

08 de fevereiro de 2015 | 11h17

Ele defendeu, porém, que todas as sanções contra o seu país devem ser suspensas, dizendo que se elas tinham a intenção de parar suas ambições nucleares, tinham falhado. Zarif disse que quando as sanções foram impostas, o Irã tinha 200 centrífugas, "agora temos 20.000". "As sanções são um passivo, você precisa se livrar delas se quer uma solução", disse.

Na manhã deste domingo, Zarif teve uma reunião de cerca de 90 minutos com o secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, na segunda reunião paralela à conferência. Ele também se encontrou, ou planejou reuniões, com todos os outros membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU e com a Alemanha, que também está negociando com o Irã.

Os Estados Unidos e seus cinco parceiros na negociação esperam conseguir um acordo estabelecendo limites de longo prazo sobre o enriquecimento de urânio e outras atividades que possam produzir material para uso em armas nucleares. Ambos os lados estão sob crescente pressão diante de dois prazos: um esboço de acordo, para os pontos principais, até o final de março, e um acordo global até 30 de junho.

Zarif disse que agora havia uma janela de oportunidade para chegar a um acordo final. "Esta é a oportunidade de fazê-lo, e precisamos aproveitar esta oportunidade", disse. "Isso pode não se repetir."

Após a reunião com Kerry, Zarif disse que se sentiu que progressos haviam sido realizados nos últimos meses e sugeriu que seria improdutivo ampliar ainda mais as negociações. "Eu não acredito que outra extensão seria de interesse de alguém", disse. "Estamos chegando em um ponto em que é muito possível fazer um acordo... E não acredito que algo será diferente daqui a um ano".

O Departamento de Estado dos EUA caracterizou a discussão deste domingo entre Zarif e Kerry como "construtiva". Na reunião de sexta-feira, Kerry pressionou Zarif sobre o desejo da administração Obama de atender ao prazo previsto para o esboço de um acordo nuclear.

Em Teerã, o líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, que tem a palavra final sobre todas as decisões importantes, disse em um comunicado em seu site neste domingo que o Irã concorda com Washington que nenhum acordo é melhor do que um acordo que

não atende seus interesses.

Fonte: Associated Press

Tudo o que sabemos sobre:
IRÃACORDO NUCLEAR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.