Chanceler iraniano diz que urânio será enriquecido no país

O ministro iraniano de Exteriores, Manouchehr Mottaki, disse neste sábado que seu governo deseja realizar o processo de enriquecimento de urânio no interior do país, embora não tenha descartado colaborar com outros países. Segundo a agência oficial de notícias iraniana Irna, Mottaki fez tais declarações junto a Farouk Qaddoumi, presidente do Comitê de Relações Internacionais da Organização para a Libertação da Palestina (OLP). "A República Islâmica do Irã quer fazer o enriquecimento de urânio dentro de seu próprio território. No entanto, isto não contradiz a (possível) colaboração do Irã com outros países sobre esta questão", disse Mottaki. Sobre o pedido de uma permissão técnica e jurídica formulada à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) para realizar atividades com água pesada no país, o chefe da diplomacia iraniana detalhou que seu país "informa à AIEA sobre esta e outras atividades Nucleares". "A República Islâmica do Irã informa sobre sua atividade de água pesada à agência, tal como faz sobre outras atividades pacíficas. No entanto, isto não significa que o Irã pede permissão para suas atividades", disse Mottaki, que insistiu em que o contato com o organismo internacional foi meramente informativo. Mottaki acrescentou que o Irã desenvolve "suas atividades nucleares no marco jurídico e legal, e não faz nada fora das normativas da AIEA e do Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP)". Sobre a manutenção das sanções americanas sobre seu país, ele disse que "os americanos estão há mais de 20 anos fazendo esse teatro". "Impor embargos por parte dos países que têm mais capacidade econômica é uma pressão política. No entanto, a República Islâmica do Irã demonstrou nestes anos que não há motivo para essas sanções", concluiu.

Agencia Estado,

11 Novembro 2006 | 14h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.